ForumAJSP

Jogos menos jogados na AJSP => Field of Glory (AM) => Tópico iniciado por: JEspecial em 15 Maio 2013 04:26:30 pm

Título: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 15 Maio 2013 04:26:30 pm
Demorou dois anos a ser construído.

Colunas folheadas a ouro, telhas decoradas com pedras preciosas, guardado nos 4 cantos por estátuas de Vitorias com trofeus. Lá dentro 4 paineis pintados mostravam o seu exercito e feitos, e no meio, atrás de um véu dourado estava o sarcófago de ouro, com um manto purpura e as suas armas por cima. O corpo continuava incorrupto, obra dos embalsamadores ou favor dos Deuses?

Era puxado por 64 mulas, precedido por equipas de construtores de estradas e escoltado por um pequeno exercito. Nunca tal tinha sido visto e por onde passava, o mausoleu atraiu milhares de pessoas que esperavam dias  a fio, ao longo da estrada para o verem passar. Ao longo de 6 meses arrastou-se lentamente da Babilonia até á Siria, onde Ptolemeu o interceptou e levou para o Egipto.

E assim começou a lenda…

(http://www.tate.org.uk/art/images/work/T/T00/T00466_10.jpg)

(http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTm8mJxeYJdoW71YpWCukB1c0pve4ndRoTZB6ucKkSC8qvuFkbw9FmxWZkNVA)

Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: FMartins em 15 Maio 2013 11:50:00 pm
E terá sido devidamente saqueado ou destruído, porque se continua escondido, no dia em que foi revelado será uma das maiores descobertas arqueológica de todos os tempos.
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 16 Maio 2013 08:28:54 am
Ou um dos seus 3 tumulos... Mas já lá vamos! :)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 16 Maio 2013 11:16:36 am
Houve historias que voaram para leste, pela Persia e mais longe, de um herói chamado Sikander nunca derrotado, castigador dos maus e protetor dos justos, passada de boca em boca ao longo de seculos, de Medos para Partas, de Partas para Sassanidas e destes para a India e sudoeste asiático. Ainda há uns anos era um herói de desenhos animados na televisão iraniana.

Nunca, antes ou depois de Alexandre,  um conquistador foi adoptado pelos conquistados como herói folclórico. Nem a sua memória contada, reconstruida e inventada durou 24 seculos…

(http://www.greece.org/alexandria/tomb2/persia.jpg)

Outras historias foram para norte, falando de Iskander, o rei cornudo e invicto, Anatolia adentro e para lá do Caucaso, que assustava as crianças que não comiam a sopa toda. Mais a norte e mais tarde, não foram poucos os bardos que animaram as noites vikings com as historias e as batalhas de Skanda, o herói que viajou á volta do mundo e nunca voltou a casa.

Para sul, no Egipto onde onde foi enterrado 3 vezes e nenhuma encontrado, onde Cesar e Augusto o visitaram e donde Napoleão partiu para o 18 de Brumario, dizendo que  se não conseguia  ser Alexandre, então que fosse Cesar; do Egipto as lendas passaram para a Nubia e ainda podem ser encontradas em manuscritos na Etiopia

E para Ocidente, depois de ser invejado por Cesar pelo que tinha feito em tão pouco tempo, tomado por modelo pelos mesmos romanos que ocupariam a sua Macedonia natal; foi projetado pelos tempos medievais, como o exemplo perfeito do cavaleiro feudal, eternamente enamorado da sua dama Roxana  e combatendo de armadura dourada contra os infiéis, explorando o mundo com as suas “muito desvairadas gentes” como diria Fernão Mendes Pinto…

(http://www.openminds.tv/wp-content/uploads/8-Alexender-encounters-wildman_web.jpg)
(“Alexandre encontra um selvagem”)

ou descendo ao fundo dos mares numa espécie de submarino…
(http://3.bp.blogspot.com/-16CvBmDR4og/TdGB-tJzDSI/AAAAAAAAAfU/97xXiyFoUT8/s1600/AlexanderDive3.jpg)

Mas para o Ocidente Alexandre tambem deixou o sonho e a ambição de ir por esse mundo fora, tomando-o, transformando-o em algo completamente novo, nesse movimento de dar “novos mundos ao Mundo” que sem sempre correu tão bem como no tempo de Alexandre para os “novos mundos”. Pelo menos nenhum colonizador dos seculos XVI ao XIX se transformou em herói folclórico nas terras colonizadas…

Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: PMorais em 17 Maio 2013 07:32:57 am
Só para dizer que estou a seguir atentamente e com muito interesse esta linha.
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 17 Maio 2013 08:50:51 am
Caro Paulo Seleuko Morais só tenho a dizer que a questão da Palestina está muito longe de estar resolvida. Assim como da Cilicia...

 ;D
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 17 Maio 2013 02:55:16 pm
A imagem visual que temos da Grecia antiga é a de cidades brancas, com grandes edifícios públicos com colunas de mármore e estátuas, não é?

(http://2.bp.blogspot.com/_vyHiNz0Cr9Y/S-mGmmm40ZI/AAAAAAAAAC8/tsoBSz_223U/s1600/parthenon-and-the-acropolis-landmark-1.jpeg)

De tal forma este estilo é marcante que a partir do seculo XVIII os edifícios públicos começaram a ser feitos em estilo neo-classico, reclamando a Grecia antiga como passado histórico de sítios tão distantes dela como a Alemanha
(http://media-cache-ec3.pinimg.com/192x/45/c0/e8/45c0e825ff1d53c9f072ac4be943341d.jpg)

ou os Estados Unidos
(http://the420times.com/wp-content/uploads/2011/10/washington-dc-white-house-whitehouse.jpg)

Nada mais longe da verdade!

Este branco neo-classico não passa da ideia que nós, ou melhor os aquitectos do seculo XVII e todos os depois deles, temos da Grecia antiga, com base no que hoje em dia vemos nos edificiso e estatuas, depois de 25 ou mais seculos de chuva os terem lavado.

Porque o mundo grego (e romanos) era colorido. Muito colorido…

(http://t3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRZL8KnUurJp0hzjQ5REp44sfBGEqyFFKHOJ7rkA724XgWjdAXlfC2fBsRf_A)

(http://eekman.com/virtual_gallery/media/sculptures/painted/geryon_painted.jpg)

(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/f/f1/Istanbul_-_Museo_archeologico_-_Mostra_sul_colore_nell%27antichit%C3%A0_06_-)

(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/f/f1/Istanbul_-_Museo_archeologico_-_Mostra_sul_colore_nell%27antichit%C3%A0_06_-_Foto_G._Dall%27Orto_28-5-2006.jpg/450px-Istanbul_-_Museo_archeologico_-_Mostra_sul_colore_nell%27antichit%C3%A0_06_-_Foto_G._Dall%27Orto_28-5-2006.jpg)

(http://www.petersommer.com/blog/wp-content/uploads/2012/08/Alexander-Sarcophagus-colour.jpg)

(http://1.bp.blogspot.com/-Cr4NKxoinjA/TmPDE5wQC-I/AAAAAAAAAEo/hYTUTjYqi3s/s1600/agiosathfriezeright.jpg)

O que tem algumas consequências… interessantes quanto se trata de pintar um exercito. Como por exemplo, falangistas cor de rosa…

(https://lh6.googleusercontent.com/-YbGo2Th5rdo/UOCv2i0HCkI/AAAAAAAAAgY/nT1CDI-xGoM/s640/blogger-image--430163980.jpg)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: PMorais em 20 Maio 2013 07:22:46 am
Citar
Como por exemplo, falangistas cor de rosa…

Púrpura (http://en.wikipedia.org/wiki/Purple) de tiro queres dizer.

(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/1/1e/Purpur-mit-Ausfaerbung.png/96px-Purpur-mit-Ausfaerbung.png)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 20 Maio 2013 09:42:39 am
Tambem, mas não só!

No caso da foto acima, acho que é excatamente essa a cor que estão a usar, apesar de achar que nem os Ptolomeus tinham dinheiro para vestir assim um Taxies inteiro.

Mas tambem temos de ter em conta as declinações do vermelho com que era tingida a lâ e o linho (e as tunicas normalmente eram feitas em lá) que produziam tons de cor de rosa

(http://www.lezlieking.com/images/wool.jpg)

Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 20 Maio 2013 09:44:08 am
Uma das coisas “chatas” das figuras Xyston é que escudos e lanças são peças separadas. Os escudos veem com as figuras mas as lanças têm de ser compradas á porte. E Isso implica furar as mãos para lá por as lanças, e por uma bolinha de green stuff no braço para o escudo fidar bem fixo, já que só copm cola a tendência dele é cais com o uso. E só digo chatas porque é mais uma operação que se tem de fazer antes de começar a pintar!  ;D

Por isso estive a ver nas figuras que comprei ao Ximenes as que tinham as mãos furadas (já que ainda não tinha broca suficientemente fina para as furar) para meter mãos á obra.

Nestas condições estavam os Prodromoi (cavalaria ligeira com lança), os Agrinios (infantaria ligeira de elite, uma espécie de Comandos da época) e archeiros Cretenses (que eram uma especie de snipers)

(http://4.bp.blogspot.com/--acZ1bjBYl4/UZk83gQo_AI/AAAAAAAAAns/KRYF83zucI0/s1600/Foto0237.jpg)

Os Prodomoi estão a ser pintados de acordo com o fresco do tumulo de Lefkandia, tal como está descrito no livro de Duncan Head "Armies and Enemies of the Macedonian and Punic Wars"

(http://history-of-macedonia.com/wp-content/uploads/2011/10/KINCH-TOMBDrawing-based-on-a-wall-painting-with-battle-scene-from-the-Kinch-Tomb-310-290-BC-Lefkadia..jpg)

Os Agrinios, dada a sua longa associação ao exercito macedonio, muito provavelmente já teriam algum espectro “regular” com equipamento e roupa fornecidos centralmente e por isso estou a pinta-los com túnicas vermelhas e declinações do vermelho, até ao rosa.

Já os Cretences lembro-me de ter lido num sitio qualquer que vestiriam de preto, e apesar de não ter conseguido re-encontrar essa indicação, achei que é uma boa forma de os distinguir


Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 21 Maio 2013 11:30:35 am
Depois da bagagem fortificada ilegal dos Khazares,  (ver o tópico “I’m Borat from Kazakistan!” ) vou mais longe na minha busca da ilegalidade máxima. Desta vez é mesmo com unidades de combate.

Os Companheiros foram provavelmente a primeira cavalaria de choque da historia,  capazes de carregar com êxito infantaria formada. Em contraste com toda a restante cavalaraia da época (grega, persa, indiana, etrusca), mesmo a mais pesada com armadura para o cavalo, como as guardas persas, tinha como armamento 3 ou 4 lanças ligeiras para atirar (ou o arco no caso dos citas e bactrianos).  Mas os Companheiros estavam armados com um xyton, uma lança grande e pesada, com mais de 3 metros.

Isto permitia-lhes  ter a vantagem do primeiro golpe contra outras tropas montadas e contra a maioria da infantaria,  o que aliado a uma formação muito ágil e fácil de manobrar , (no fundo era quase um “follow the leader”) os tornou decisivos em todas as batalhas de Alexandre: A cunha.

(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/1/10/Cavalry_alex.PNG/220px-Cavalry_alex.PNG)

Desconhecem-se as origens desta formação, como alias a de boa parte das inovações militares de Filipe da Macedonia, mas há algumas referencias a cavalaria ligeira Trácia a operar nesta formação, por isso é bem provável que seja essa a sua origem.

De qualquer modo está bem establecida a ligação entre a cunha e os Companheiros, tão idissociavel da sua imagem como as lanças compridas que usavam.

Por isso que sentido faz que uma unidade de companheiros seja representada assim, num bloco?

(http://2.bp.blogspot.com/-SLfIKCaU1RM/UFTjmlefVrI/AAAAAAAAFpo/vnbFQRSXQwI/s1600/Companion+Cavalry+01a.jpg)

Para mim, nenhum. E é aqui que entra a ilegalidade. Em FOG são as bases que contas, sendo numero de figuras nelas apenas informativo do tipo e equipamento, para alem de darem todo o aspeto estético do jogo, que não é menos importante.

Dai a minha ideia: Uma base única de 8cm x 6cm a representar 4 bases de cavalaria com 9 companheiros em cunha.

(http://2.bp.blogspot.com/-Rb46C80xTlI/UZk83LKL8II/AAAAAAAAAng/Ddw4ZI-kaAE/s1600/Foto0239.jpg)

(http://2.bp.blogspot.com/-B563vtMN3xQ/UZk84TXHHKI/AAAAAAAAAn4/3pCOXgLZqtk/s1600/Foto0240.jpg)

(http://ttp://4.bp.blogspot.com/-CzxSJHzVOps/UZk84zFcrMI/AAAAAAAAAoA/kOSdjC7LTJg/s1600/Foto0241.jpg)

Digam lá que não ficam bonitos e não metem respeito aos inimigos? Baixas vou representa-las com marcadores e como não vejo situação tactica em que tenha vantagem em estar em linha única, o uso da base comum parece-me que não vai interferir no jogo, tendo um grande ganho visual.

Vou seguir o mesmo tipo de baseamento para os prodomoi e para a cavalaria ligeira Tracia, mas só com 6 figuras em cunha.
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 22 Maio 2013 03:13:35 pm
Hoje acabei de pintar os Agrinios, Cretences e Prodomoi que tinha na bancada (vantagens de se poder ir a casa á hora de almoço…) com um wash de “Army Painter” nacional, vulgo verniz de madeira Dirup, para lhes salientar as sombras. As figuras da Xyston têm algum exagero nos seus relevos, precisamente para facilitar este tipo de pintura ou por aguadas.

Logo ao fim da tarde é dar-lhes uma bombada de Purity Seal da GW e estão prontos para a mesa depois de baseados.

Com estes fico com 3 unidades de falange prontas (ainda não tinha posto fotos deles, pois não? Então aqui vai) 

(http://2.bp.blogspot.com/-aF06XAHg3KE/UZk83hiJM3I/AAAAAAAAAno/WIa0JkGLr5Y/s1600/Foto0238.jpg)

mais 2 unidades de Companheiros, 1 de Prodomoi e 2 de infantria ligeira, o que dá uma força quase jogável. Só lhe falta generais e peltastas (MF)

E para isso tenho o Terror do Norte (não, não é o Pinto da Costa e seu Dragão!) bárbaros selvagens e caçadores de cabeças, tatuados de azul (Eu já disse que não tem nada a ver com o FCP!) aqueles para quem os gregos antigos inventaram a palavra “bárbaro” e que obrigaram os autores de regras de Antiguidade a criar o Medium Foot para representar os Peltastas, essa classe de tropa entre o Hoplita e o Psiloi:

Os Tracios!

(http://images1.wikia.nocookie.net/__cb20121218174620/spartacus/images/c/cd/Thracian_warrior.png)

(http://i670.photobucket.com/albums/vv70/ILKO2009/thracians2.jpg)

(http://home.versatel.nl/richardevers2000/Pic/Thracian1.JPG)

(http://www.planetfigure.com/attachments/osp1-jpg.124721/)

Os meus agradecimentos ao Micael Ny por tão rapidamente os ter metido no correio.
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 23 Maio 2013 01:01:57 pm
Hoje é acerca de sexo!

(http://media.costumesinc.com/costumesinc/SKUimages/large/1490RO.jpg)

Por este tópico anda muito leitor caladinho (as 10 visitas diárias que tem não são minhas…) que fica aqui á coca a ler as Alexandrisses, mas não diz nada. Excepção feita para o paulo Morais no forum da AJSP

E por isso hoje vamos falar de sexo!

Isto da Historia antiga tem sempre de ser por em perspetiva. É o caso de Cesar a dizer na pagina inicial da Guerra das Gálias, que os Gauleses comiam muita carne. Ora isto é vindo de uma cultura essencialmente vegetariana (a romana)  que tinha no pao a base da sua alimentação. A qualquer vegetariano vai parecer “muta carne” se eu comer um bife por mês.

Acerca do sexo do Alex (não é o tamanho…) dizem Plutarco e Arriano que ele tardamente se interessou por isso e que sempre foi muito comedido. Efetivamente ele só teve uma Call Girl na adolescencia (Chamavam-se Hetairas e esta de luxo foi arranjada pelo pai para ver se ele se animava pela coisa) duas semi-esposas (acima de concubinas, mas sem serem esposas reais) casou 3 vezes (uma delas com DUAS princesas persas ao mesmo tempo…) teve um “amigo próximo”  toda a vida (Hephastion)  um “transsexual”, tanto quanto se podia ser com a tecnologia da época, (Bagoas)

Comedido, portanto…

Ps: Não falei de ele ter acesso ao harem do Dario, pois não?
(http://4.bp.blogspot.com/-Bw-WnvrJqOQ/UZ4RbZur6fI/AAAAAAAAAoQ/rypEicLI0as/s1600/IMG_9695a-1.jpg)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: FMartins em 27 Maio 2013 11:31:54 pm
Finalmente metes aqui material de jeito!!! E não, não me referia às figuras da Xyston!  ;)

A primeira gaja é quem, a Roxana?

Quanto aquela cena do baseamento da cavalaria (e partindo do princípio que não te interessará mesmo nada coloca-los em linha ou em coluna), o que já reparei, meu grande somítico, é que tu queres é poupar figuras! Numa base de 8x6, colocas 9 bonecos em lugar dos tradicionais 12. Um ganho de 25% assim do pé para a mão (ou, como falamos de cavalaria, do casco para... o casco).
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 28 Maio 2013 08:40:25 am
Confesso que foi essa uma das razoes!

Das unidades pintadas que comprei ao Ximenes estava uma de Companheiros a 6 bases = 18 figuras. Como estão muito bem pintadas e queria ver se não tinha de mandar vir mais, então comecei a pensar como é que os podia transformar em nas duas unidades de Companheiros que o exercito pode ter, e foi ai que juntei isto á ideia da cunha e pronto.

Ainda pensei se haveria alguma situação tactica em que os quisesse meter em linha, mas como são Cv combatem em melee a duas filas e por isso não tenho vanatgem em os usar em linha. E como em V2 o bonus de movimento em coluna em terreno já não existe...

Só se for mesmo no momento da colocação para ganhar algum movimento lateral, mas isso é só durante a colocação e na primeira ou segunda jogada, porque depois revertem á formação base. mas isso faço com marcadores, para representar a maior frente da unidade.

E ainda por cima ficam muito giros!

E os Prodiomoi tambem já estão em cunha  :D
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: FMartins em 28 Maio 2013 11:05:55 pm
Cunhas, cunhas... não penses que será com cunhas que irás ganhar jogos aqui na AJSP! A nossa casa é muito séria, ou o que é que tu pensas, hã?!?  ;)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 29 Maio 2013 08:02:07 am
Nem para ter uns emparceiramentos melhores?
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: FMartins em 02 Junho 2013 08:38:26 pm
Ui, os emparceiramentos, o meu tormento...  ;)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 04 Junho 2013 03:22:20 pm
Não tenho dado Trácios de vida neste tópico, (tinha de fazer esta piadola fácil, já que estou a pintar duas unidades de Tracios…) mas não é por falta de “alexandrisses”, bem pelo contrario.

Tenho estado a ler muito. Comecei por um clássico da triologia dessa Senhora que dá pelo nome de Mary Renault

The Nature of Alexander
(http://www.le-livre.fr/photos/RO2/RO20073524.jpg)

Esta senhora, não sendo historiadora tem o raro condão de escrever muito bem e com um detalhe impressionante. Parece que conheceu pessoalmente o Alex, a Olimpias, o Filipe  e mais as dezenas de personagens aqui mencionados.  Sendo um bocadinho apologética e desviando o olhar dos aspetos mais dúbios da formação do Imperio, recomendo vivamente a sua leitura quanto mais não seja para apanhar o feeling da época.

Tenho na calha, tambem dela

•   Fire from Heaven (1969) — Alexander the Great from the age of four up to his father's death
•   The Persian Boy (1972) — from Bagoas's perspective; Alexander the Great after the conquest of Persia
•   Funeral Games (1981) — Alexander's successors

Depois temos as referencias para pintura, os incontornáveis Ospreys:
(http://www.hamiltonbook.com/media/image_240x320/4471083.JPG)

(http://www.ospreypublishing.com/images/books/covers/mainpageimages/9781841769509-th2.jpg)

E finalmente o “velhinho” mas sempre recomendável e imprescidinvel “Armies of the Macedonian and Punic Wars 359 BC to 146 BC” de Duncan Head

(http://covers.openlibrary.org/b/id/6257298-M.jpg)

Agora o que me está a tirar do sério é qo que raio hei-de fazer com os Hipaspistas. Decidir uma de 4 configurações possiveis é demais!
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 05 Junho 2013 09:04:41 am
Ontem esqueci-me de acrescentar mais um livro que tambem é muito interessante (e que para variar levanta mais uma data de questões, mas historia militar da Antiguidade é assim mesmo...)

(http://cache1.bdcdn.net/assets/images/book/large/9781/8441/9781844158393.jpg)

"The Army of Alexander the Great", Stephen English

E voltando aos Hipaspistas, para este autor o que faz sentido é que em batalha eles estivessem equipados como a restante falange (com sarissa) mas tirando isso, nos outros combates e nos assaltos, como hoplitas.
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 05 Junho 2013 03:49:47 pm
Este ultimo livro chamou-me a atenção para uma coisa. Foi no reinado de Filipe da Macedónia que foram inventadas as catapultas de torção, (usam como força propulsora a torção de uma grande quantidade de crinas de cavalos e tendões em dois cilindros ligados a cada um dos braços da arma) capazes de atirar pedras a 400 metros.

(http://farm6.static.flickr.com/5050/5284248339_0e80baacc4.jpg)

Até então as maquinas que haviam eram arcos gigantes, que geralmente só lançavam virotes ou pedras pequenas, com o alcance de pouco mais do que um tiro de arco (100 a 200 metros)

(http://www.naturecoast.com/hobby/images/ma812.jpg)

O que significa que Alexandre (e Filipe antes dele, no final do seu reino) tinham á sua disposição maquinas capazes de atacar muralhas, não só contra os seus defensores, mas mesmo para a demolir, e isto completamente fora do alcance das de defesa.

Não deixa de ser significativo que apenas 70 anos antes, no cerco de Siracusa durante a Guerra do Peloponeso, o supra sumo das técnicas de cerco eram arietes, escadas e ganchos de ferro.

Assim fica mais fácil de perceber porque é que Alexandre tomou todas as cidades que atacou. Simplesmente não tinham defesa possível a partir do momento em que as maquinas começassem a funcionar. Era só uma questão de tempo…

Vamos agora fazer uma lista das inovações do exército Macedónio, só para ter uma visão de conjunto:

 - Falange com sarrissa. O seu concorrente mais próximo era a falange de hoplitas, os quais, sempre que defrontaram a falange de sarrissa, foram derrotados.

 - Cavalaria de choque. Antes dos Companheiros toda a cavalaria estava equipada com várias lanças curtas para atirar e depois combater com espada/machado. Os Companheiros são os primeiros lanceiros da história

 - Artilharia de cerco com maior alcance e potência

Portanto temos uma infantaria que é virtualmente imparável, uma cavalaria (ou parte dela) que rompe as linhas inimigas e um trem de cerco capaz de tomar qualquer cidade.

È como se os alemães começassem a 2GM em 1939 com o equipamento de 1944 e os Aliados não evoluíssem nada…

Se a isto ainda juntarmos o facto de Alexandre ser um bom general E com sorte, temos daquelas combinações que só muito raramente se conjugam na Historia.

Condições semelhantes, talvez só as tenha tido Napoleão até 1805. (E depois os seus adversários começaram a ser tão bons quanto ele no seu próprio jogo…)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 07 Junho 2013 02:17:52 pm
O “meu” primeiro exército foi Selêucida.

 Era do Miguel Morão, feito com figuras de 15mm antigas da Minifigs, das que ainda vinham em tiras de 5 (com as bases todas juntas) figuras pequeninas, como era a moda na altura, em que 15mm era mesmo 15mm e 25mm não era 28, ou 30, 31, 32 mm.

Joguei muito com ele, contra uns Bizantinos temáticos também do Miguel, tinha eu 17 ou 18 anos e essa foi a minha primeira mostra do que era um jogo “a sério”. Até então só tinha feito uns jogos com figuras Arfix e tanques Matchbox com as regras do Vitor Amorim que eram publicadas na revista Historia, em cima da mesa que tinha no meu quarto, numa de “os meus tanques contra os teus”. 

Mas agora havia listas para escolher a composição do exército,  regras para colocar terreno, o qual podia ganhar ou perder jogos,  mapas de colocação das tropas, e ordens. A 5ª edição das regras de Antiguidade da WRG (Wargames Resarch Group) era uma coisa “á seria” e muito mais variada do que aquilo a que estava habituado.

Ainda me lembro da composição desse exército:
El-Rei Seleuco (na altura só se usava um! )
Os Companheiros e a Agema a 6 figuras cada (para poderem forma cunha!)
2 Unidades de xystophoroi  a 10 ou 12 figuras cada, creio
Uma unidade de Tarentinos e outra de Citas com 8 figuras cada
24 peltastas em duas unidades
24 argiraspidas
24 falangistas
Uma dúzia de Gálatas, que só tinham medo que o céu lhes caísse na cabeça.
Uma dúzia de cameleiros Árabes
Cerca de 20 figuras de archeiros Árabes
Um elefante

Quando conheci o Miguel ele estava a acabar uma unidade de Trácios e pouco depois o exército foi reforçado com um segundo  e terceiro elefantes  (devidamente batizados em cerveja como era tradição na altura)

Depois com o tempo apareceram umas “ceifeiras debulhadoras” e mais falange, (já com figuras “modernas”) mas o núcleo do exército permanece ainda o mesmo.

PERMANECE! No presente. Porque este exército ainda existe e foi rebaseado para FOG. Deve ser o exército mais antigo ainda existente em Portugal com uma carreira de 30 e tal anos.

A minha colocação “típica” era formar o Bloco Central (estava-se na altura dos governos do PSD e PS…) com argiraspidas e falange a centro com elefantes entremeados, Gálatas dum lado e peltastas do outro. Normalmente os Bizantinos fugiam deste rolo compressor, mas ás vezes (poucas) lá conseguia apanhar alguém. Nesse tempo ainda não sabia o que excesso de força é tão mau como pouca força, apesar do Miguel me zurzir alguma coisa acerca disso ao ouvido.

Devo ter jogado com eles ai durante um ano, mais ou menos, e apesar de ter a vaga ideia de que também joguei com os Bizantinos, a minha memória e o meu coração ficou sempre naqueles Selêucidas. Depois comecei a fazer o meu primeiro exercito (Mongois… É giro como estas  tendências vêm de longe) e depois outro e outro e mais período e outras coisas, mas nunca mais tive, ou joguei com um exercito Helenistico.

Até agora…
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: jorneto em 07 Junho 2013 06:05:32 pm
O “meu” primeiro exército foi Selêucida.

 Era do Miguel Morão, feito com figuras de 15mm antigas da Minifigs, das que ainda vinham em tiras de 5 (com as bases todas juntas) figuras pequeninas, como era a moda na altura, em que 15mm era mesmo 15mm e 25mm não era 28, ou 30, 31, 32 mm.


PERMANECE! No presente. Porque este exército ainda existe e foi rebaseado para FOG. Deve ser o exército mais antigo ainda existente em Portugal com uma carreira de 30 e tal anos.


Naaah!!!
O exército mais antigo é do Miguel efectivamente, mas Bizantinos e não Seleucidas. O 2º exército mais antigo são os meus chineses Han (Alguns conhecem-nos como Circo de Pequim) e o jogo mais antigo foi em Dezembro de 1979 ou Janeiro de 1980 (não me lembro muito bem) nas Oficinas de S. José, entre estes dois exércitos com as regras WRG 5ª edição, já na altura traduzidas pelo Miguel. O resultado foi uma vitória tangencial chinesa (disso lembro-me muito bem!...).

Velhinhos, mas ainda fazem umas acrobacias
(http://i741.photobucket.com/albums/xx53/jorneto/Varios/IMAG0201_zpsafd5ba72.jpg) (http://s741.photobucket.com/user/jorneto/media/Varios/IMAG0201_zpsafd5ba72.jpg.html)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 11 Junho 2013 08:29:27 am
Grandes manobras Chinezas!

Tens razão Jorge. O Miguel pintou primeiro os Bizantinos e depois os Seleucidas. Todo nas figuras"ás tiras" da minifigs
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 14 Junho 2013 02:51:48 pm
And the winner goes to…

(http://i.imgur.com/nDXqg.png)

Depois de andar ás voltas (não foram muitas, mas pronto, fica sempre bem dizer isto…) para qual dos Sucessores iria expandir o exercito macedonio, decidi-me pelos Ptolemaicos, e foram estas as razões:

 1 – Seleucidas há muitos, seu palerma! (E isto deve ser entendido como um desafio a todos os que, com falta de imaginação, claro está, se deixaram levar pela tentação de carros falcados, catafractas e imitadores de legionários)

2 – Já estive na terra deles por duas vezes e os templos mais bonitos e bem feitos são os da sua Dinastia.

(http://i1.trekearth.com/photos/91250/temple_of_isis.jpg)


3 – Deram porrada nos Seleucidas em Rafia, mesmo tento elefantes pequeninos e falangistas egipcios!

4 – Tem tropas “terríveis” sob a forma de cameleiros Arabes, policias Judeus, piqueiros Egipcios e cavalaria Nubia. (para não falar nos tais elefantes pequeninos que estão aqui em baixo a combater os mamutes do Seleucos!) What else?

(http://1.bp.blogspot.com/_WemHOssXe6c/TQwGaougmHI/AAAAAAAAAE4/i7KcY9oTrwY/s1600/Raffia%2B6s.JPG)

5 – Eram podres de ricos, que se deram ao luxo de tentar comprar o exercito ao Antigo á razão de 1Kg de prata por soldado e 27Kg por oficial. (O Antigono teve de usar a “policia militar” para manter o exercito e acabou por se ir embora de Gaza para evitar a sangria de tropas)

6 – Tinham marines! E mega-hiper-super navios de guerra. Numa época em que a norma era a quinquerreme e quadrirreme os Ptolomeus passeavam pelo mediterraneo oriental com decahexarremes (“16 remes)

(http://assets-cloud.enjin.com/users/771900/pics/original/1147400.jpg)

7 – Eram muito inventivos a escolher nomes: 14 Ptolomeus e 7 Cleopatras. (E a famosa foi a VII)

(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/52/EgyptianPtolemies2.jpg)

8 – O fundador da Dinastia era mesmo amigo do Alexandros, (ao contrario dos “usurpadores” que na altura eram só sintagmarcas anónimos!) por isso fica mesmo bem com o nome deste tópico.

9 - Alexandria era a maior cidade do mundo, com a sua famosa biblioteca e o farol de Pharos.

(http://4.bp.blogspot.com/-WAaosvOdkJE/TxX7VTuP-XI/AAAAAAAAR34/EtN1--YVu_A/s1600/RoyKrenkel_AncientAlexandria_100.jpg)

10 - É o inimigo historico dos Seleucidas e só isso deve garantir-me uns jogos bem disputados :)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: PMorais em 17 Junho 2013 09:13:33 am
Excelente escolha e ainda melhor fundamentação.

Citar
1 – Seleucidas há muitos, seu palerma! (E isto deve ser entendido como um desafio a todos os que, com falta de imaginação, claro está, se deixaram levar pela tentação de carros falcados, catafractas e imitadores de legionários)

Eu não vou mudar de certeza. Alguém tem de se manter fiel às suas escolhas ou então deixavas de ter adversário.  ;D
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 17 Junho 2013 10:59:16 am
Nem esperava outra coisa! Venha dai esse terçar de sarissas, que já se faz tarde! :)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 20 Junho 2013 03:51:15 pm
Estou numa maratona!

(O que, para um exercito que é não só grego, mas que se via como vingador de Termopilas, até é apropriado…)

O próximo Torneio de FOG é já dias 6 e 7 e quero estrear lá os meus Amigos de Alexandros, mas para isso ainda me falta algumas coisas, nomeadamente o Campo (O qual, meus amigos é completa e totalmente GENIAL!!! – Mas acerca dele haverá um post dedicado) os generais, (Filipe, Alex e Parmenion)  a cavalaria Tessália e Trácia, 8 bases de hoplitas ligeiros (Iphikratean hoplites) e mais 8 de falangistas… Cerca de 100 figuras, mais coisa menos coisa.

Por isso estou a fazer 3 horas de pintura por noite para ver se acabo isto tudo. Hoje até dei um passo na boa direção, ao acabar os hoplitas e os generais, mas o meu maior problema é que da cavalaria só tenho metade dos Trácios e nenhum Tessalio e faltam-me os escudos para os falangistas. Vamos a ver se os consigo ter a tempo…

No entretanto aqui vai uma foto dos marcadores de baixas que fiz, para aquelas unidades que estão numa única base

(http://4.bp.blogspot.com/-S1KTRCAbvRc/UcH3PD2VK8I/AAAAAAAAAok/PLhd95QrLwY/s320/Baixas.jpg)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: FSousa em 21 Junho 2013 01:39:09 pm
Por caso há pelo menos duas situações em que podes querer, ou ter de os pôr em linha.
A primeira é se precisares/quiseres fazer uma carga, tiveres amigos a estorvar, e precisares de reduzir a frente para chegar ao contacto com o inimigo.

A segunda, menos gloriosa, é se eles estiverem a fugir de alguém e tiverem de formar coluna para passar num intervalo disponível entre obstáculos.


Sobre a remoção de baixas sinalizada com marcadores, que já é uma solução de recurso, pode visualmente enganar o adversário (ou a ti próprio, mas isso é problema teu) e se 99% das vezes pode não ser importante dizer se a base removida é a da esquerda ou a da direita, pode haver situações em que o espaço ocupado por uma base pode ter influência em restrições ao movimento ou medição de distâncias.

Claro que é possível arranjar soluções de recurso, acordadas com o adversário, mas o sistema de bases existe por alguma razão.
Entendo todos os argumentos porque fizeste isto, e não estou a dizer que não o vou permitir num torneio, mas gostaria que a moda não pegasse e que estejas preparado para, em caso de disputa com o adversário, dar-lhe sempre sempre razão em qualquer argumento relacionado com o baseamento das figuras e a perda de flexibilidade resultante.

O efeito visual é de facto muito giro :).

Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 21 Junho 2013 02:03:37 pm
Ainda hoje estava a pensar nessa questão da cavalaria ligeira encolher para evadir e em formas de dar a voltá a questão e a mais safisfatoria parece-me de facto ser... monta-los em bases normais :)

Quanto aos Companheiros... Companheiro que é Companheiro nunca foge! :)
(E os prodomoi querem ser Companheiros por isso vao pelo mesmo caminho.)

 
É claro que em caso de disputa por causa de bases grandes, o beneficio é sempre do meu adversário (mas não exagerem, ok?) e onde o cmarcador estiver  (atras á esquerda ou direita) é sempre a base que foi eliminada.

Mas olha desta vez a minha bagagem é completamente legal! :)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 26 Junho 2013 01:23:01 pm
Estou a descobrir que é muito fácil pintar falangistas. Pelo menos os da Xyston.

A técnica que estou a usar para unidades de linha.(já que as guardas com as armaduras todas coloridas necessitam de mais trabalho) é a seguinte: (depois de lhes furar as mãos e colar o pique, mas não o escudo)

 - Colar as figuras em ripas de madeira com 10 – 12 figuras cada

 - Pinta-los bem de branco baço, a spray

 - Pintar cor de pele

 - Pintar ombreiras, ptrerugas, bainha e cintos da espada e do escudo. (4 ou 5 cores)

 - Entretanto e em paralelo os escudos foram pintados a spray na sua cor base de um lado e de outro (castanho do lado de dentro)

 - Alicar decalque nos escudos como o simbolo da unidade.

 - Colar escudos em cada figura

 - Pintar metais (dourado e prata) – capacetes, pontas de lança, grevas, escudos

 - Deixar secar bem um dia inteiro ao sol.

 - Wash com verniz estilo “army builder”, aplicado a pincel e diluído com diluente celuloso

 - Deixar secar bem ao sol, logo apos a aplicação

 - Retoques, barbas e aclarar os tons onde necessário

Daqui são retirados da ripa e colados nas bases definitivas e depois da colar secar, a base é flocada e o bordo é pintado de castanho.

E como consigo pintar 32 figuras numa semana, com sessões de 2 – 3 horas por dia (e outra unidade mais pequena em simultâneo) começo mesmo a achar que ter uma falange como esta não é assim tão difícil.

(http://3.bp.blogspot.com/-02OVl7mQyq0/UcrqOOuRP4I/AAAAAAAAApk/GgMxaK5S0kk/s1600/phalanx7.jpg)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 09 Julho 2013 01:14:27 pm
Então vou agora contar como foi a estreia do pujantíssimo exercito Ptolemaico no torneio do passado fim de semana.

O primeiro jogo foi algo de inaudito! Tão potente era o exército Egipcio e tão garbosa a sua pintura que o inimigo logo desistiu e nem sequer apareceu! Por isso passamos a manha em amena cavaqueira com Orlandash Al- Meidah o embaixador Cartagines em Alexandria, que foi presenteado com a parada de todo o exercito, entre duas cervejas Stela.

 - Que bebida tão refrescante é esta?  - Perguntou ele em Punico

 - È cerveja Stela! - digo eu em Grego.
 
(http://i1.trekearth.com/photos/33947/egypt_beer_800e.jpg)


 - Por Baal! É divinal!

 - É a bebida dos deuses…

(http://aleheads.files.wordpress.com/2010/12/egyptian_beer.jpg)

… e servida por deusas!
(http://img149.imageshack.us/img149/8497/cleavagebeer01d31fcajj0.jpg)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 09 Julho 2013 01:19:33 pm
Depois desta retumbante vitoria por pavor paralisante do inimigo, fomos informados por um mensageiro, que o Rei da Assiria marchava sobre nós.

- Da Assiria? Da Siria queres tu dizer… Aquele el-rei Seleuco que nunca pára quieto.

 - Não, não da Assiria mesmo!

 - Da Assiria??? Os barbudos fundamentalistas do hezbolah?

 - Sim… Mais ao menos…

 - Deves estar enganado, mas como já tenho o exercito mobilizado vamos lá a Gaza ver o que se passa.

E fomos!

Quando lá chegamos lá estava um exercito é, verdade. Uma data de gregos (como os Seleucidas…) uma data de carros (como os Seleucidas…) uma cavalaria muito patusca (como os Seleucidas…) uma data de infantaria ligeira pobre e mal paga (como os Seleucidas…) parecia mesmo um Seleucida!

Formamos o exercito como fazia o Alex, com uma ala de ataque com a nossa poderosa cavalaria apoiada por elefantes, um centro poderosíssimo de Hipaspistas, falange e mercenários Galatas que só têm medo que o céu lhe caia na cabeça; e depois uma ala de Engonhancysmoz (é grego e quer dizer: “ a gente tá aqui só a aguentar este flanco!”)

E fomos a eles! Sem medos e com marchas rápidas, que é o que os sirios (ou assirios como estes insistiam em chamar-se…) merecem! Agora é que vão ver com quantas pedras se faz uma pirâmide!

A cavalaria lá carregou os carros ( que nem sequer tinham foices…) e estava a ganhar, quando a falange a centro baixam as sarissas e carregam ferozmente a linha de infantaria inimiga.

E dá-se o desastre…

Ao aproximarem-se os nossos reparam que eles têm todos barbas postiças

(http://www.taipeitimes.com/images/2010/10/30/thumbs/p19-101030-302.jpg)

e mesmo…

(http://www.blogcdn.com/www.urlesque.com/media/2010/03/beard9.jpg)

ou ainda…

(http://www.iwatchstuff.com/2012/02/23/dictator-cohen-beard-thumb.jpg)

e desatam a rir, largando os piques! Isto, irrita os barbudos que começam á paulada aos nossos, que saem dali ainda de mãos na barriga de tanto rir.

(quer dizer: Eu tiro uma chuva de 1s e o Marco uma vaga de 5s e 6s no impacto e nas melees seguintes)

E mais rapidamente do que demora a comer um prato de lenteinhas, os meus soldados estavam de volta ao campo ainda a rir dos barbas dos Sirios.

Ou eram Assirios?

Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 10 Julho 2013 11:09:20 am
- Pessoal, está tudo a marchar para Eilat! E tragam a família!

Depois da paulada dos barbudos achei que o melhor era levar o exército a banhos no Mar Vermelho. Mandei vir charters de camelos árabes e lá fomos nós para a praia.

(http://media-cdn.tripadvisor.com/media/photo-s/00/17/9f/6b/dan-eilat.jpg)

Tinhamos lá chegado e estavam os Gálatas a jogar “porrada de praia” com os Trácios (os elefantes seguravam na rede) e eu a ver os planos  do novo templo de Horus-Apolo em Apolonopollis Magna (Edfu, em egípcio) entre dois copitos de Stella

(http://eduscapes.com/history/ancient/edfu.jpg)

quando chega um mensageiro de Gaza a dizer que esta outro exercito Sirio a cercar a cidade!

Ai o raio de Zeus! Mas estes tipos da Siria não têm mais nada para fazer senão cercar Gaza?  Estou a ver que tenho de pagar a alguém para fomentar lá uma guerra civil!

Enrolei os planos do templo e elogiei o trabalho do arquitecto, dizendo que o edifício era tão belo que um dia vão vir charters de gente do outro lado do mundo para o visitar.

 - A sério Filho de Rá?

 - Sim! Acredita em mim! Foi Apolo que mo mostrou em sonhos. Gentes da India, da China, das ilhas Pré-Tanicas e ainda de mais além.

Depois mobilizei o exército e voei como Horus até Gaza.

E lá estavam os Seleucidas. Desta vez deixaram em casa as armas antigas (os carros, as espadas de bronze e os capacetes em forma de balde) e vieram com um exercito moderno: Falange, Guardas á Romana (modernisses… ) elefantes, uns mercenários tracios, cavalaria gaulesa e  no lado direito um aliado Parta.

Raios (de Zeus!) partam os Partas! Bem que a policia judaica me dizia que havia salteadores árabes apoiados por Partas iranianos a rondar pela Galileia e Líbano, mas não tinha dado credito a isso. E agora lá estavam eles, dentro das suas armaduras a cozer ao sol.

Meti á sua frente a minha cavalaria (não é de elite porque toda ela é muito boa!) apoiados por elefantes, Tarentinios italianos  (uma pessoa tem de se manter atento ás modas…) e fundibulários trácios.

A seguir estavam os Gálatas, mesmo em frente ao elefantes dos Sirios, e depois fui criativo!  Formei a falange com os Hipaspistas á esquerda e não á direita. Depois a cobrir um terreno mais áspero onde estavam os tracios inimigos, meti os meus apoiados por uns mercenários que me disseram que eram bons e eu (parvo, já se vai ver… ) acreditei.

Atrás deles e um pouco para a direita estava a cavalaria trácia, que devia ser armadurada, mas como estava calor deixou as couraças no campo, e mais uns Tarentinos ( não consigo resistir a novidades…)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 10 Julho 2013 01:31:59 pm
Dei ordens ao comandante da cavalaria para usar os tarentinos e os fundibulários para puxar os “Fornos montados” para os elefantes e a estes que não ligassem ao resto e fossem direitos a eles. As duas hiparchias de cavalaria deviam proteger os flancos dos elefantes, manter os archeiros a cavalo partas á distancia e, depois dos elefantes terem feito o seu trabalho, assaltar os Companheiros Seleucidas que estavam em cima de uma colina.

Depois disse ao general da outra ala (a de “Engonhancyzmoz”) para pegar pessoalmente nos trácios e nos mercenários e fosse direto aos trácios inimigos, para correr com eles e depois atacar a falange de flanco

Posto isto, fui colocar-me á frente dos meus Hipaspistas e da falange e pu-los logo em passo de carga sobre a falange selêucida. Isto deve te-los impressionado, porque eles lá se mexeram muito devagarinho e os Guardas deles até se afastaram da falange, assim como quem não quer meter-se connosco.

Entretanto os Tarentinos carregaram uns archeiros a cavalo que se meteram a discutir o que fazer, já que uns queriam ficar e lutar e outros ir logo para casa, e quando se viraram para finalmente fugir, já os nossos estavam em cima deles com gritos terrificantes  nos seus dialetos itálicos :

 “- Avanti! Viva Italia! Viva il Duce! Viva il Bunga Bunga!”

Mas os iranianos são gente austera, não gostavam de Bunga Bunga  e desataram aos tabefes aos italianos, de tal forma que estes logo fugiram. O bom foi que com isto tudo acabaram por chocar nos elefantes  o que logo colocou o general Parta em tal confusão que lançou os Catafractas ao ataque dos elefantes. Pronto um dos objetivos da ala de cavalaria já estava cumprido.

Entretanto os meus trácios descobrem que os dos Seleucidas eram de uma tribo que lhes tinha roubado umas ovelhas lá na santa terrinha (inclundo umas “ovelhinhas” de duas patas…) e cá vai disto vão-se a eles de ronfaia nos dentes e toca de cortar cabeças a torto e a direito.

Os meus tais mercenários que eram muito bons (dizia o folheto…) que combinavam a mobilidade do peltasta com a solidez do hoplita (dizia o folheto…) que eram veteranos de várias campanhas na Iliria (dizia o folheto…) e custavam apenas 15 talentos (eu devia ter desconfiado pelo preço!),  e que era suposto estarem a ajudar os colegas trácios, assustaram-se quando viram a cavalaria gaulesa do inimigo a aproximar-se e desataram a fugir á terceira lança que lhes acertou num escudo!

Entretanto, eu sai do meio da minha Guarda (os Hipaspistas)  e peguei nos gálatas e fui dirigindo-os para os elefantes. A minha ideia era, como eles estão sempre a dizer que não têm medo de nada, que parassem os elefantes seleucidas tempo suficiente para a minha cavalaria os carregar de lado. Dito e feito! Mesmo tendo sido depois carregados pelos Companheiros Seleucidas, estes valentes Gauleses aguentaram-se como se tivessem uma qualquer força magica. Ainda hoje estou para perceber o que terá sido…

(http://1.bp.blogspot.com/-YQ2t8FDlFfk/Ud1dbpYPwFI/AAAAAAAAAqc/SKQDcbVpFog/s1600/Obelix.bmp)

Com tudo isto os meus tracios lá acabam de ajustar contas com os vizinhos e estavam a espetar cabeças em estacas quando a unidade de falange selêucida mais próxima repara nisso e começa a sentir-se agoniada. E então quando viram a cabeça dum general que tinha sido apanhado na perseguição começaram mesmo a vomitar, todos amarelos e a unidade fragmentada.

A noticia disto  deve ter corrido a falange toda deles e causado grande confusão, porque a unidade do meio carrega sozinha e a do outro flanco assobia para o lado. Os meus não hesitam e formam em Synapyzsmoz (é grego e que dizer” Pessoal, tá a cerrar fileiras!” e desbaratam num instante essa carga isolada e depois toda a falange.

Entretanto, a minha cavalaria, depois de enxutar os archeiros a cavalo Partas restantes, carregam sobre o flanco dos Companheiros. Estes ficam a combater para dois lados, os Galatas á sua frente ( que resistem ainda e sempre aos elefantes invasores Seleucidas!)  e a minha cavalaria de lado e rapidamente rende-se arrastando consigo os elefantes e pouco depois todo o exercito.

Resta contar o combate épico entre os Argiraspidas seleucidas e os meus Hipaspistas  que se atacaram mutuamente e tão feramente batiam um no outro, com ligeira vantagem para os nossos, que, mantendo a sua formação intacta, não deixavam os “á romana” aproximarem-se.

Para todos ficou patente a superioridade do sistema inventado por Filipe, sobre o das tribos italianas.

Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 16 Julho 2013 09:56:29 am
Vou agora proceder á analise do comportamento dos diferentes tipo de tropas e as alterações para 900 pontos do ITC.


XISTOFOROI – Nada a dizer dos dois grupos de cavalaria com lança. Fiáveis, rápidos, bom poder de manobra, capazes de enfrentar até kn, com o apoio de um BG de elefantes. Tambem é bom que sejam só 2 grupos (que confesso, a principio pensei que fossem poucos) que assim não os uso á maluca e tenho espaço para os manobrar devidamente.


GALATAS– Muito rijos e perigosos no impacto. Podem necessitar de um general com eles para fazer sobressair todo o seu potencial, seja no combate, seja a passar testes de coesão. Usar a 8 para resistência máxima.


ELEFANTES – Os elefantes demonstraram que são muito bons, especialmente lidando com o que a cavalaria não consegue. Tambem revelaram uma aptidão especial a combater tropas com Sword, porque este POA não conta contra elefantes, o que num período em que os romanos (em principio…) imperam é importante. Contra romanos posso deslocar os elefantes para o meio da falange, já que a minha cavalaria é melhor do que os romanos conseguem alinhar.

Por principio vou colocar um grupo em cada ala, num caso para atacar, no outro para funcionar como ancora do flanco defensivo, já que nesta lista de 800 pontos e só com um grupo de elefantes, a ala de defesa teve sempre grandes baixas e necessita de algo rijo e capaz de fazer face a várias ameaças.

Já por várias vezes me têm aconselhado a trocar os elefantes por falange, principalmente por causa do seu potencial para “explodirem” quando sofrem uma baixa . Efetivamente o seu preço é semelhante ao de uma unidade de piques Average, (48 pontos nos piques e 50 para os elefantes) mas acho que no compto geral os elefantes têm o seu lugar. Se não vejamos:

 - São mais rápidos do que falange e podem andar por terreno sem serem tão afetados, seja em POA seja em dados. Contam Uneaven como Open e em rough combatem com 4 dados no impacto, tantos como uma falange em Open.

 - Combatem geralmente com uma POA de vantagem, no impacto e na melee, á semelhança dos piques, mesmo contra Impact Foot no impacto, em que os piques combatem em igualdade.

 - No Impacto lançam 6 dados contra 4 da falange.

É verdade que podem “explodir” se receberem uma baixa, mas mesmo aqui ainda têm +1 ao dado pelo fator de “pele dura”. Por outro lado tambem uma falange de 8 é severamente penalizada quando sobre uma baixa ou perde coesão…

Por isso parece-me que sendo verdade que são muito semelhantes, a velocidade e o fator “Todo –o-Terreno” dos elefantes, garantem-lhes um lugar nas minhas listas.


GENERAIS– Estive a usar um FC e dois TC. Ainda considerava o uso de dois FC, mas de facto a Battleline  maior que tenho mover é a da Hipsapistas +2 falange +Galatas e para isso chega um FC. Para a ala de ataque 1TC chega para fazer marchar a cavalaria, já que as tropas ligeiras podem ir acompanhado á sua própria velocidade; e na ala de defesa o que interessa é mover as duas unidades ligeiras para ganhar espaço e o resto pode ir andando. Creio que esta combinação funciona tambem a 900 pontos, DESDE QUE (e aqui isto remete-nos para o ponto seguinte) não use a falange egípcia como Poor, porque se a usar isso implica dar-lhe um TC dedicado, sempre que estiver a combater. 

Fazendo conta aos pontos, a falange Poor a 12 bases + TC custam 83 pontos, contra os 72 que custam se forem average. É certo que mais um general dá mais flexibilidade ao conjunto, para o problema é que no combate  ele TÊM mesmo de ficar preso (sabe-se lá por quanto tempo…) para dar alguma hipóteses dos egipcios se aguentarem. Constituindo um risco acrescido de por toda a gente a testar, se morrer…

Tenho mesmo de fazer mais jogos para ver se  chego a uma conclusão acerca da estrutura de comando.


FALANGE – Eu acho que, em V2, a falange é o melhor tipo de infantaria pesada do jogo!  E explico o porque desta afirmação, por comparação implícita com o legionário romano:

 - No Impacto tem 2POA, o que normalmente dá-lhe 1POA de vantagem.

 - Na melee continuam a ter duas POA, o que em media dá-lhe a vantagem  de uma, mesmo contra romanos, por anulação do sword. No entanto contra infantaria protected sword (90% dos MF /HF irregulares do jogo) tem 2 POA de vantagem, coisa que os legionários já não têm.

 - Contra montados são muito melhores do que legionários, ao anular Lances e manter os seus 2 POA.

 - Quando flanqueados podem formar Orb e deixar de ter flancos para todos os efeitos.

A sua única desvantagem face a legionários é a grande perda de eficiência (POA e dados) em terreno. Mas tirando isso, eu aposto na falange!
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 24 Julho 2013 08:51:16 am
A mobilização do exército para o ITC tem estado a mexer a todo o vapor. Esta semana (até sexta) conto acabar o segundo grupo de elefantes e a cavalaria Gálata, estando só dependente de me chegarem a tempo os decals para os escudos dos Galatas. Mas creio que deve dar para, caso não cheguem esta semana, basea-los e por os decals nos escudos á posteriori.

Estou a pintar os escudos de todos os Galatas baseado nas pinturas de túmulos em Alexandria, onde aparecem com escudos brancos e capas azuis.

Alexandria tinha dois cemiterios (que hoje em dia são outros tantos bairros da cidade) um a ocidente e outro a oriente, aparentemente sem nenhuma razão especial para cada um deles. Neles, a "classe media" da cidade construia ainda em vida jazigos funerarios para si proprios, cujas paredes eram decoradas com frescos alusivos ao falecido,normalmente mostrando aquilo que ele fora em vida e com alguma frequencia despedindo-se de familiares ou amigos.

As vezes nuns tumulos da " Classe alta" lá aparece um sarcofago com a respectiva mumia á antiga egipcia, mas em alguns sarcofagos a mascara funerária não é ao estilo egipcio classico, mas grega.

E nós ainda achamos que as nossas cidades são cosmopolitas e multi culturais...

Mas vamos ver alguns galatas que ganharam o suficiente para fazer um tumulo "á grega!" (ou será mais á egipcia?...)

Neste tumulo o falecido Isidoros (Nome demasiado grego para um celta. Será um "emigrante" de segunda geração?) está a despedir-se das duas filhas

(http://www.metmuseum.org/toah/images/h2/h2_04.17.4.jpg)

“A man joins hands with the first of two girls who stand one before the other while the second girl raises her hand in his direction. The man wears a long blue mantle with black fringe that covers his otherwise nude body. The girls wear long pink robes gathered at the waist. A faintly preserved looped yellow ribbon on the gray background above the girls suggests an indoor, domestic setting for this touching scene of greeting or farewell”

Neste já temos um nome mais gálico (Bitos, filho de Lostoiex) onde é bem visível a capa azul. O escudo deste é uma raridade, dado ser todo vermelho e com algums motivos a traço preto. Será que é por ser um oficial, como a sua postura parece indicar?

(http://www.metmuseum.org/toah/images/h2/h2_04.17.5.jpg)

“A soldier stands "at ease" wearing a long blue mantle and holding a spear and a tall red oval shield seen in profile. Extensive remains of the black preparation drawing are visible in areas of the drapery and shield. The frontal, public posture of this figure resembles civic honorific statuary of the period”

E neste o “?attos” (falta-nos a primeira letra do seu nome) quis ficar para a posteridade a tomar um copo de um criado ou filho. Devia ser boa companhia nas tabernas de Alexandria ou Menfis…

(http://www.metmuseum.org/toah/images/h2/h2_04.17.6.jpg)

O resultado que pretendo, seja para a cavalaria seja para a infantria é algo nesta linha, com algumas trocas de cabeças para lhes dar capacetes helenísticos e uma palete de cores limitada para criar a ideia de serem uma unidade regular.

Barbara e feroz, mas regular :)

(http://4.bp.blogspot.com/-mTeHd9Nah0c/UWX9S_vrUlI/AAAAAAAAAP0/WqzpIpzk2cE/s640/P6080553.JPG)

Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 29 Julho 2013 08:59:04 am
É oficial! Só me faltam duas unidades para ter prontos os 900 pontos que vou levar ao ITC!  (Galatas a pé e cavalaria ligeira tracia)

Acabei o segundo par de elefantes e a cavalaria Galata, apesar de esta ainda lhe faltar os decals nos escudos, só para aquele toque extra, já que tal como estão são perfeitamente jogaveis.

(http://2.bp.blogspot.com/-vNXgb7ZlFAA/UfPNytN6nPI/AAAAAAAAAsk/3vZrfUsTv0c/s320/Foto0262.jpg)

(http://3.bp.blogspot.com/-XyWTzBeXwlM/UfPNyz2XLTI/AAAAAAAAAso/VU6yfDbtvnI/s320/Foto0263.jpg)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 29 Julho 2013 10:05:43 am
Neste fim de semana, retomou-se uma tradição Helenistica que há muito tempo que estava perdida.

Com efeito, desde o primeiro exercito helenistico deste pais (Os Seleucidas do Miguel Morão já aqui mencionados) que é tradição os seus generais e elefantes serem baptisados, depois de pintados. Esta tradição ainda foi seguida durante algum tempo em Almada nos tempos pre-DBM, mas creio que estava perdida desde os tempos das DBM.

Não sei ao certo os efeitos do baptismo em jogo, mas algum devia ser, que tenho ideia de os elefantes do Miguel serem temiveis, e o pessoal desvira-se logo deles.

Por isso, este sábado á hora de almoço, foram baptisados os 4 elefantes e  todos os generais Macedonios e Ptolemaicos.

Em cerveja, claro está, que as tradições são para se cumprir á risca!


Primeiro foi o Alexandre
(http://4.bp.blogspot.com/-ThKG-tjXvY0/UfPOJjjYS_I/AAAAAAAAAs4/lehZZJw7sb0/s320/Foto0264.jpg)

Depois o seu pai, Filipe
(http://2.bp.blogspot.com/-LczCyIoUPzg/UfPOJg4caHI/AAAAAAAAAtE/OCYYQpsASl0/s320/Foto0265.jpg)

Seguido de Ptolomeu
(http://4.bp.blogspot.com/-Yg586HSUzsQ/UfPOJorGVoI/AAAAAAAAAs0/xBJrHR2BZjg/s320/Foto0266.jpg)

E finalmente os elefantes
(http://1.bp.blogspot.com/-To4Sjr9ViWw/UfPOKg9wZwI/AAAAAAAAAtM/jGbtPcYONt8/s320/Foto0267.jpg)

(http://3.bp.blogspot.com/-0BX_4zZjAuA/UfPOLOAgh0I/AAAAAAAAAtQ/2bBTpEg2A9s/s320/Foto0268.jpg)

(http://4.bp.blogspot.com/-qMxJTV2XojA/UfPOLfTX1JI/AAAAAAAAAtc/hKQwEHK1E5Q/s320/Foto0269.jpg)

Os meus agradecimentos á Carlsberg!
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 08 Agosto 2013 03:10:34 pm
Morri nas areias do deserto da Libia…

Acabei de saber que muito, muito, muito, provavelmente os espanhois não vêm ao ITC o que significa que de 8 equipas (sendo duas portuguesas) passa-se para 7 e para manter o numero par… a equipa Portugal  B(de BONS!) fica de fora…

E estive eu a fazer maratonas de pinturas todos os dias nas últimas semanas para ter os 900 pontos de Ptolemaicos prontos… E ainda por cima acabei tudo e meti os últimos BG na mala justamente no ontem a horas apenas de sabe que afinal já não os estreio no ITC…

Its an injustice it is!...
(http://fotos.sapo.pt/uYMIUNS42p0JPPwEBCgO/)

Tou tristi! Agora que tenho 4 elefantes lindos e uns gauleses ferozes e tracios colecionadores de cabeças... HO!

Olhem, para me vingar começei a fazer disparates: Estou a pintar camelaria arabe e policia judia!  :)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 16 Agosto 2013 08:47:44 am
Já não estou a pintar oa mesmo ritmo (2 BG a cada 3 semanas) porque já tenho os 900 pontos que queria levar para o ITC. Por isso agora estou a pintar aquelas unidades que "Pode ser que um dia as use" , a começar pelos Arabes.

(http://4.bp.blogspot.com/-IySThvevEoU/UgvF7_KZl3I/AAAAAAAAAuw/dKNGEMhGIF4/s1600/009.JPG)

Dei-lhes uns chefes com capacetes helenisticos e estive a  por-lhes sacos e odres de agua para ficarem com ar de quem está a regressar do deserto. Ainda não pus de lado a ideia de converter um par de camelos só para carga, com paus de tenda e sacos em cima...

(http://2.bp.blogspot.com/-gD6FL1H8bKY/UgvF76chuPI/AAAAAAAAAu0/DI83JzOQgWo/s1600/010.JPG)

E sim as espadas eram mesmo GRANDES! :)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: FMartins em 28 Agosto 2013 07:54:48 pm
É pá, ficou lindo, e gostei do pormenor do baptismo! Acho que a ideia poderá voltar a pegar... :)

Gostei dos cavalinhos e dos elefantes, ficaram fixes.

Também gostei da camelaria e da mistura de oficiais "civilizados" (da Xyston?) e de bárbaros na qualidade de soldados. Dir-se-ia que estamos diante dos antecessores da cavalaria (ou camelaria) colonial francesa no Norte de África...  :)

Onde é que arranjaste os montantes? São em scratch?
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 09 Setembro 2013 03:56:18 pm
Isto é tudo figuras Xyston! mas já vou postar os updates com fotos deles pintadinhos, mas a potente falange egipcia que de Poor não tem nada como se viu no ITC :)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 09 Setembro 2013 03:57:38 pm
Os belos dos arabes já estão acabadissimos e aqui vão umas fotos deles.

(http://4.bp.blogspot.com/-URdnEVXE0VA/UiH7G4hjzJI/AAAAAAAAAxs/DoSiC2XtqC4/s1600/IMG_3772.JPG)

Sempre optei por fazer dois camelos de carga, para dar á unidade uma mais "Long Range Desert Group", que devia ser isso que eles mais faziam e era para isso que eram pagos: Para patrulhar a fronteira do deserto (Sinai, Negev e Wadi Rum até Petra) á procura de tribos beduinas rivais (pagas pelos Seleucidas) muito á semelhança com o que vai acontecer com os Lakmidas e Gassanidas no seculo III e IV na fronteira entre o Imperio Romano e os Sassanidas

(http://2.bp.blogspot.com/-0-tWYzh71-8/UiH7G5DYDII/AAAAAAAAAxw/0OiyvnZQEcA/s1600/IMG_3773.JPG)

Tambem fazendo um pararelo como que se passaria depois, parti do principio que os reinos helenisticos forneceriam (ou vendiam) algum equipamento militar aos Beduinos. Assim sendo, este sheik tem um capacete corintio (um bocadinho fora de moda, mas ainda cheio de Tcharaaam!) e um casaco persa, sen duvida oferecido ao seu avô por um satrapa do tempo do imperio Persa.

(http://3.bp.blogspot.com/-Qg-iWht1MoQ/UiH7G0YQEEI/AAAAAAAAAx0/tizlmGPx4lg/s1600/IMG_3774.JPG)
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 09 Setembro 2013 03:58:42 pm
Lembram-se de eu dizer que pintar falange até é rapido? Ora então aqui está a prova dos nove:

Foto tirada na sexta-feira ás 9h da manha (48 figuras de falangistas  - para uma unidade de 12 bases de egipcios - mais 8 archeiros Nubios)

(http://1.bp.blogspot.com/-tQbECPA6b_I/UiH7hkM__bI/AAAAAAAAAyc/aRtuDUIYM0s/s320/IMG_3771.JPG)

Foto tirada hoje, sabado, ao meio-dia

(http://4.bp.blogspot.com/-BY2VFTApPVQ/UiH7eMNo8NI/AAAAAAAAAyE/ZBUrX_nkr-Y/s1600/IMG_3775.JPG)

:)  E isto tendo pelo meio um jogo á tarde de sexta-feira!

Só lhes falta apanharem com o "Army Painter" para fazer as sombras e passar para o processo de baseamento.

Depois de alguma pesquisa, achei que se nenhuma fonte dizia nada acerca do aspecto da infantaria egipcia em Raphia, era porque devia ser igual aos outros contigentes de falange. Ainda para mais os reinos helenistos, não tendo uniformes com conheçemos hoje esse conceito, tinham manufacturas de material o que les conferia alguma uniformidade. Por outro lado a infantria egipcia foi recrutada e treinada em alguns meses, por isso é provavel que não estivem tão bem equipados em termos defensivos como os soldados "regulares" ou os mercenarios.

Dai que optei por fazer uma primeira fila com figuras de equipamento completo (grevas e linotorax) com o respectivo Taxiarka, e 3 filas de figuras com tunica e só com capacete e escudo e algumas figuras de oficiais na ultima fila. Na segunda fila, mesmo por detras do Taxiarka vou ter um porta estandarte com um disco solar, simbolo de Amon Ra, que já era usado nos exercitos egipcios antigos, e que apesar de não ter nenhuma prova disso,  acho que não fica mal, se nos lembrar-mos que os reis ptolemaicos eram TAMBEM faraós, que a religião tradicional egipcia teve um renascimento desta época (depois de ser perseguida pelos persas...) e que os templos mais bonitos (e ainda com pinturas...) que hoje podemos ver no Egipto foram presisamente construidos pelos reis Ptolemaicos.   

 - Mas e aquela mulher de vermelho? - Perguntarão

 - Aha! É a minha arma secreta contra qualquer exercito helenistico! OLIMPYAS a mae de Alexandre! Quem é que se atreve a combater contra ela?

Efectivamente a senhora tinha uma tal presença que uma vez fez um exercito desertar e com isso foi rainha da Macedonia, derrubando o irmão de Alexandre (Arrideos, Filipe II da Macedonia) e sua mulher (O verdadeiro poder atras do trono) Euridike (e esta tal Euridike tambem era um portento, que aos 15 anos ia ficando com o exercito do Perdicas depois deste ser morto...)  Numa outra ocasião, já depois de ser derrubada do trono macedoniocos (aquilo durava pouco...) julgada e condenada á morte, enfrentou apenas com o olhar os soldados que a vinham matar e estes... foram-se embora!

Por isso, como tinha a figura, achei que não fazia mal pinta-la...

(http://3.bp.blogspot.com/-lYyyt6_TKwo/UiH7eCcJp4I/AAAAAAAAAyM/41TlNp0FViE/s1600/IMG_3779.JPG)

Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 09 Setembro 2013 03:59:53 pm
Se há coisas que eu gosto é de pequenas tecnicas faceis e rapidas de fazer e que causem efeitos imediatos.

Uma delas é o uso do Army Painter (Vulgo: Verniz para soalhos da Dirup!) não na sua versão de DIP. (mergulha e agita) mas sim diluido com diluente celuloso e aplicado a pincel. O problema é que o diluente... Dilui! Não ataca muito as tintas acrtilicas (á base de agua) mas com os metais pode ser dramatico, especialmente se arrastar o pincel pela figura.. Por isso a minha tecnica é usar um pincel grosso, com uma mistura a olhometro de 50% verniz e 50% diluente, que uso para transportar uma gota grande de  verniz que, idealmente, escorre pela figura aplicando sombras e definindo superficies. Basta fazer uma vez de um lado e doutro da figura e depois (outro dos meus truques...) ponho directamente ao sol a secar.

Isto sela imediatamente o verniz, sem que escorra muito pela figura e por isso não há acumulações em baixo e quase nada em cima, como acontece ás vezes com os wash de tintas acrilicas.

O efeito é este.

ANTES
(http://2.bp.blogspot.com/-eTL-alMqOqk/UiH7eG09OvI/AAAAAAAAAyI/C7eC9Gmgtq0/s1600/IMG_3776.JPG)

DEPOIS
(http://3.bp.blogspot.com/-00LWDqwvAdk/UiTvKTAodTI/AAAAAAAAAy0/EwExVb6aSyA/s1600/IMG_3781.JPG)

Tudo isto foi feito á hora de almoço, enquanto esperava que a  maquina fizesse o café...

Já ao final da tarde, estive a retocar os escudos de branco e a por-lhes os decalques. Daqui a pouco vou colar as figuras nas bases.

Esta é a segunda fila da unidade
(http://1.bp.blogspot.com/-h50HmlSv86M/UiTvKlxvH4I/AAAAAAAAAy4/mr1urlwIVY0/s320/IMG_3783.JPG)

E aqui uma foto de conjunto dos falangistas
(http://4.bp.blogspot.com/-DMOLrKnqMng/UiTvLahF6OI/AAAAAAAAAzM/3QPdqybxWro/s320/IMG_3784.JPG)

Quanto aos Nubios, neste momento já estão colados nas bases, mas na altura em que tirei esta foto tinha acabado de lhes pintar as pinturas de guerra.

(http://2.bp.blogspot.com/-vlUHUU8pdro/UiTvKuMaUII/AAAAAAAAAzA/U_eYmxWPR80/s320/IMG_3782.JPG)

Já devem ter reparado que depois do verniz (aka Army Painter) as figuras ficam brilhantes. Nada que umas bombadas de Purity Seal não resolva.
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 16 Setembro 2013 10:35:05 am
ITC 2013 - Parte 1
ou
Opções, opções, opções


Nota previa: Os meus agradecimentos á Teresa Martins, emerita fotografa do ITC. São dela as fotos que acompanham este e o proximo post

Com apenas um total de 3 jogos antes do ITC (2 num torneio e 1 amigavel com o Nuno Cordeiro) para finar a lista e tomar opções, o meu exercito era o seguinte:

1 Field Commander
2 TC
2 x  LH Average JLS  a 4 bases
1 x LF average sling a 6 bases
1 X LF average JLS a 8 bases
2 x Cv Companheiros Sup, Arm, Lance a 4 bases
1 x Cv Galatas Sup, Arm, JLS
2 x Elefantes a 2 jumbos cada
1 x HF, Hipaspistas , Pike Sup a 8 bases
1 x HF, Mercenarios Pike  Ave a 8 bases
1 x HF, Regulares Pike  Ave a 12 bases
1 x HF, Egipcios Pike  Poor a 12 bases
1 x HF, Galatas Sup, Impact foot a 8 bases
1 x MF, Ave,  Off Spear, a 8 bases

Há partida tomei algumas opções arriscadas, nomeadamente os dois grupos de elefantes e só 3 generais.

A ideia para levar os Jumbos (para alem de serem WIIIIINDOS! e não ter mais nada pintado para ocupar o seu lugar) era usa-los nos flancos contra exércitos helenísticos (elefantes detestam piques!) num lado para atacar, noutro para dar força á defesa; e a centro contra romanos, já que são bastante bons contra legionários e outras tropas com sword.

Acabou por ser uma opção … razoável, já que andaram a fugir (ou a morrer horrivelmente…) de piques, mas pisaram tudo o que era Impact Foot Sword que lhes apareceu á frente.

(http://3.bp.blogspot.com/-akeD3qADl0g/UjMqRhVPp8I/AAAAAAAAAz0/U0grrUKkfmk/s1600/Elefantes2.jpg)
@Teresa Martins

Se num próximo torneio vou levar 4 elefantes? Provavelmente não. No entanto acho que um grupo de 2 é quase imprescindível, especialmente em torneios abertos

(http://3.bp.blogspot.com/-1Nj21U8FtdA/UjMqVmTJxYI/AAAAAAAAAz8/_oGCu2emli0/s1600/Elefantes.jpg)
@Teresa Martins

Já os 3 generais foram uma surpresa. Nos jogos que fiz antes do ITC acabei por sentir a falta de um quarto comandante, mas nestes jogos do ITC não… A ideia era marchar logo de início 4 unidades de falange/elefantes/galatas com o FC e ter um TC em cada flanco para marchar com dois grupos cada um. Depois só entrar em combate em situações previsivelmente rápidas (infantaria vs cavalaria, por exemplo) ou para forçar uma decisão. Correr atras de tropas quebradas não era uma opção prioritária dada a utilização intensiva dos generais na linha de batalha. E resultou na sua generalidade!

Fazia tambem parte da minha estratégia, apontar a massa da falange contra um alvo solido mas que tenha alguma vulnerabilidade no todo ou em parte (“protected, sword” é musica para os meus ouvidos!) e move-la o mais depressa possível, tendo por 3 vezes cedido a iniciativa em troca de jogar primeiro. Isto permitia-me meter o “pack de ataque” na linha central da mesa na fase de movimento do meu segundo turno.

(http://3.bp.blogspot.com/-es5mOyykQ9A/UjMqZXxCghI/AAAAAAAAA0E/hZv4PIuGriY/s1600/Falange.jpg)
@Teresa Martins

(Uma das formações do Pack de Ataque: (Esq para a Dir) General, Falange Egipcia, Hipaspistas, Elefantes, falange Mercenários.

O resto do exercito era um bocado consensual: Usei a melhor MF que tinha disponível na lista, 4 grupos de escaramuçadores para operarem nos flancos e a centro, e a cavalaria pesada que usei mais como reserva móvel do que como ponta de lança.

(http://3.bp.blogspot.com/-Qo3c7F26cNc/UjMqPX0Ti7I/AAAAAAAAAzs/N17MaGhpdnc/s1600/Compa.jpg)
@Teresa Martins

No próximo post vou falar do que aconteceu jogo a jogo.
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 17 Setembro 2013 10:59:07 am
Jogo 1 – ITALIA - Later Macedonian

Na primeira colocação nós dois metemos 4 grupos de tropas ligeiras ou cavalaria. Normal…

Na segunda colocação eu meti a ala de defesa, ele meteu 4 grupos de piques a 8 bases. Ok. Normal

Na terceira colocação eu ponho 3 grupos de falange, ele poe 3 grupos de falange. Ok… Isto está a ficar estranho.

Na quarta colocação eu ponho os companheiros e os elefantes e ele poe… Mais 3 grupos de falange!

10 unidades de falange, 3 das quais Superiores. 80 bases de piques! E quem tem muita falange sou eu???

Passei o jogo a tentar apanhar-lhe alguns dos ligeiros e a evitar a mare de piques. Aquilo que consegui fazer-lhe de atrito ele recuperou durante o jogo e acabei por não lhe fazer nada, ficando 24-3 para ele.

Ponho aqui uma foto dos meus terriveis mercenarios Tarentinos, que causam medo no inimigo com o terrivel grito de guerra no seu dialetto itálico: "Avanti Italia! Viva Il Bunga Bunga!" mas que neste jogo foram os primeiros a fugir.

(http://3.bp.blogspot.com/-9R0JoIAWnQU/UjMqkr2KmvI/AAAAAAAAA0c/CivQv9Z_t-4/s1600/Tarentinos.jpg)
@Teresa Martins
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 17 Setembro 2013 12:54:22 pm
Já gora vou fazer um pequeno parentesis  na narrativa do ITC, já que acho que nunca falei da minha bagagem.

Como sabem tenho dois exercitos "egipcios": Este e o do Napoleão no Egipto (bem... na realidade 3 se contarmos com os Ingleses de FOW) então, apesar de nas regras napoleonicas não haver excatamente este conceito de "Campo" como há na antiguidade. achei que devia fazer alguma coisa que facilmente podesse ser usado por qualquer um deles.

E assim, aqui está o meu campo do exercito Ptolemaico com uma esfinge novinha e pintadinha de fresco, alusão á quantidade de "obras publicas" que esta dinastia fez.

(http://4.bp.blogspot.com/-rqb6ePYU7ZU/UcH3PcUZN_I/AAAAAAAAAoo/nPX74xI2tT8/s1600/Anyes.jpg)

E aqui está a mesma esfinge 2000 anos depois, como os franceses a encontraram
(http://3.bp.blogspot.com/-wCyVBEO1rC4/UcH3U98dRRI/AAAAAAAAAo0/V91gCoWUksE/s1600/Depois.jpg)
(As tendas já estão pintadas, obviamente.)

SIC TRANSIT GLORIA MUNDI...
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 17 Setembro 2013 03:20:33 pm
Jogo 2 – França2 – Pontic

A coisa que me lembro bem deste jogo é que estivemos o tempo todo a rir do principio ao fim! Ele fez uma excelente narrativa do jogo, no seu blog que foi acompanhando com fotos e por isso recomendo a sua leitura.

http://jdfigs.canalblog.com/ (http://jdfigs.canalblog.com/)

Na colocação do terreno ele ficou com dois montes suaves do lado dele um ao lado do outro, ai a 40cm do bordo da mesa e parti do principio que ele iria colocar ali a falange dele e os legionários de imitação, confiando que teria uma linha maior do que a dele, mas com um Mitridades é moço para recrutar cavaleiros Sarmatas, tinha de ter cuidado com o outro flanco.

Por isso meti o Pack de Ataque em frente ao monte com um par de elefantes no meio para tratarem dos legionários. Mesmo que tivessem de combater monte acima em parte da linha, seria em igualdade e no espaço de 10cm entre os dois montes os elefantes e os Hipaspistas haviam de tratar do assunto.

Isto para não falar de outra hipótese, que era a natureza humana dos jogadores, que os impele a mover as figuras para a frente, mesmo que isso os leve a sair de uma boa posição. E foi o que aconteceu…

Entre o Pack de Ataque e o bordo da mesa meti a cavalaria Galata e os elefantes contanto que por ali estivessem tropas montadas, o que tambem aconteceu.

No outro flanco, ia ficar pendurado no ar com os dois Companheiros, os Tarentinos e os Peltastas a fazerem render a coisa face a Sarmatas (pois… bem  que eu suspeitava) Catafractas Armenios e infantaria Bastarnae.

Eu avancei o Pack, deslizando para a minha direita para ver se conseguia meter pelo menos uma fila de piques a combater os montados dele, e ele acabou por descer do monte. Na direita os meus elefantes apanham a sua cavalaria que tentava evadir, a centro  o Pack vai a combate e lentamente começa a fazer estalar a infantaria dele, enquanto que no outro flanco… tudo corria mal!

Felizmente os “legionários” dele não aguentaram e a sua fuga afectou as falanges á sua esquerda e direita , que pouco depois já fugiam, abrindo caminho para os cavaleiros Galatas apanharem de lado os thorakitai dele e partindo-os.

22 – 16 para mim e a minha primeira vitoria num ITC!

E aqui estão os Galatas a pé, que foram uns heróis (mas do tipo “Heroi Postumo”) neste jogo.

(http://4.bp.blogspot.com/-uA-jodRjds0/UjMqcGFxhgI/AAAAAAAAA0M/krXd-mtB19o/s1600/Galatas.jpg)
@Teresa Martins
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 24 Setembro 2013 12:52:53 pm
Jogo 3 –Jose Martins (Equipa Barbaros) – Later Cartaginian

O embate africano: Cartago conta Egipto

O Zé colocou os aliados Campanios á sua esquerda (Cavalaria, legionarios e triari) depois a Linha de Aço dos seus veteranos a centro e no outro flanco tinha um par de unidades de cavalaria e uns numidas. Entre os Campanios e os veteranos colocou um cordão de infantaria ligeira (entre os quais dois grupos de LF Campanios)

Quando ao fazer a apresentação ele pronunciou as palavras magicas “Protected, sword” referindo-se aos legionarios campanios, selou o seu destino: O pack de ataque formou logo á frente deles, apoiados pela cavalaria galata (armadurada) e a tracia, que encarava a cavalaria campania (protected) e mais uns numidas.

Os meus companheiros ficaram na minha esquerda, um pouco para tras, em reserva.

Jogo primeiro e lá vou eu todo lampeiro, a marchar com o pack de ataque com LF á frente, que assim que podem carregam os LF campanios do Zé. Que decide ficar e começa uma melee que ainda vai durar um bocado.

E ai o Zé lança a sua armadilha: Pega em dois dados e rola para marcha de flanco…

Eu gelei e só rezei (a Zeus, a Osiris e a todos os outros) que não entrasse pelo meu lado direito, porque com a densidade de tropas que ali estava, se tivesse de evadir do bordo da mesa devia haver BG que quebravam. Mas não podia fazer nada a não ser continuar em frente e baixar os piques.

O impacto com os Campanios não deu em nada para os dois lados, o que não foi mau considerando que tinha vantagem na melee. As quais foram varias… Bem dizia o tio do Alexandre, Alexandre do Epiro, que morreu em campanha na Italia, que enquanto o sobrinho foi para leste combater mulheres, ele estava na Italia a combater homens!

Os Campanios morreram, mas não se renderam. E mesmo já depois da legião, da cavalaria e dos vélites estarem mortos ou em fuga, os triari tiveram de ser todos mortos (as duas bases deles, leia-se!) Raça de gente teimosa!

No outro flanco os meus Tarentinos depois de fazerem o brilharete de apanharem uns numidas que evadiram, meteram-se a falar de condições de trabalho e de bónus e acabaram por ser apanhados  de lado por uma das cavalaria púnicas.

A outra, isolada foi apanhada pelas duas minhas de Companheiros e ... Não eram Campanios!

Os Veternos estavam a rodar para apanhar o meu flanco de infantaria recusado, o que faz com que os Companheiros fiquem na sua retaguarda depois de perseguirem a cavalaria púnica.

Ai entra a marcha de flanco do Zé, pelo  meu lado esquerdo (direita dele) mas já não vai fazer nada, porque a captura do seu campo pelos meus LF dá os pontos de atrito necessários.

Ficou 27-6 para mim.

(http://2.bp.blogspot.com/-KDpa9UZDxpI/UjMqnWPZVkI/AAAAAAAAA0k/Ib4E8xtJ174/s1600/Tracios.jpg)
@Teresa Martins
Cavalaria ligeira Tracia
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 14 Abril 2014 09:57:58 am
Depois de quase um ano a jogar com eles e de andar a rondar o primeiro lugar por varias vezes, consegui um primeiro lugar.

(http://www.ajsportugal.org/galeria/Reconquista2014/Reconquista2014I.JPG)

E tem um triplo sabor para mim porque:
 - É a primeira vez que ganho um torneio de FOG
 - É a segunda vez em 30 anos que ganho um torneio :)
 - Ter ganho com um exercito que me deu muito prazer a montar e ainda mais a aprender sobre ele.
Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 14 Abril 2014 09:59:17 am
Como para o Lusitania Challenger há varios portugueses que vão jogar com exercitos Helenisticos, resolvi chamar um dos meus Kiliarkas que é perito em treinar tropas, para nos dar algumas ideias de como melhor usar um exercito.

(http://apittman.com/images/ptt_west/classicB.jpg)

Kalimera!

Então vocês querem ser como Filipe e Alexandre? Querem recrutar um exercito eleva-lo á gloria por esse mundo fora mesmo contra as tribos italiana e iberas? Vocês querem fama não é? Então é aqui que começam a pagar. Em suor!

Estão tudos a formar em sinapismos e eu que não veja uma sarissa desalinhada!

Muito bem, muito bem… Até parecem uns Hipaspistas como deve de ser…

(http://community.imaginefx.com/fxpose/johnny_shumates_portfolio/images/335912/425x403.aspx)

Principios básicos:

 - Os exércitos Helenisticos são exércitos de ATAQUE! O seu núcleo é o falangista que foi inventado a partir do hoplita clássico, reduzindo-lhe o equipamento defensivo e aumentando o ofensivo. Por isso não são feitos para ficarem parados debaixo de tiro, mas para atacarem o inimigo num avanço continuo.

 - A falange é tudo! É pela falange que se ganha, é pela falange que se perde! Se não confiam na vitoria da vossa falange, então dediquem-se a outra coisa! O que não podem é ter medo de a avançar sempre o máximo possível e de entrar em combate com ela assim que possível.

 - A falange é una! Todos sabemos que ela é constituída por varias kiliarkias de piques, mais as unidades que lhes protegem os flancos, mas isso é por questão administrativas. Devemos olhar para ela como um único bloco que se move unido, combate unido e vence unido. E não tenham a tentação de  a separar seja por causa de terreno, seja por alguma tactica peregrina como colocar elefantes ou cavalaria lá no meio.

 - Uma ala ataca, a outra defende. A cavalaria mais ofensiva deve ser colocada toda junta na ala de ataque, apoiada por tropas ligeiras de infantaria e cavalaria. A mais defensiva deve ficar no outro flanco, tambem com tropas ligeiras e se possível tureoforoi  ou infantaria tribal.

 - E agora o principio mais importante de todos: Não se faz mussaka sem bringelas! Não se ganha batalhas sem baixas. O importante é que o sacrifício de cada herói que atravessa o rio Aqueronte para o Hades não seja em vão.

Perceberam?

Podem desmontar as sarrisas e ir treinar luta e corridas. Amanha falamos de tropas ligeiras



Título: Re: Os amigos de Alexandros
Enviado por: JEspecial em 14 Abril 2014 10:01:28 am
Sentem-se, sentem-se… vamos então falar de tropas ligeiras.

(http://hetairoi.de/wp-content/uploads/2012/05/IMG_0057-150x150.jpg)

(http://hetairoi.de/wp-content/uploads/2012/05/Psiloi1-150x150.jpg)

Acerca de tropas ligeiras há duas coisas fundamentais que devem ficar bem claras:
 - Não podem viver sem elas
 - Demasiadas são a vossa perdição.

Por isso eu apontaria para 3 a 4 grupos no máximo, sendo que se optar por 4 tenho de ter uma razão concreta para isso (e “ para ficar simétrico” NÃO é uma razão valida!)  Como escolha base eu teria um grupo montado, um com algum tiro (funda ou arco, é igual) e um com JLS de preferência grande. Este ultimo tem como funções base fazer de ecran á falange OU ocupar terreno Dificil. 

Todas as tropas ligeiras TÊM de ter algum apoio de tropa formada para a qual retirar, senão arriscam-se a serem empurradas para fora da batalha ou destruídas por inimigos mais pesados. A única exceção a isto é se existe por perto alguma área de terreno onde se possam refugiar. Caso contraio, ter várias unidades ligeiras juntas e sem apoio é dar um alvo ao inimigo e condena-las á partida.

E agora uma coisa que qualquer candidato a Stratego não se pode esquecer: Já todos estudaram a batalha de Gaugamela,certo?

(http://www.alexander-the-great.co.uk/images/production/production_design/axd0651_s.jpg)

Estão a ver quando Alexandre segue para a direita com os Companheiros, os Prodomoi (cavalaria ligeira) e os Agrinios (infantaria ligeira) para separar Bessus e a cavalaria de elite persa do centro de infantaria persa comandada por Darius e depois Alexandre entra pela brecha entre a Bessus o Darius com os Companheiros todos?

Todos conhecem essa manobra (mas nenhum a conseguiu repetir…) e a gloria que foi por o Rei dos Reis em fuga e que assim se ganhou o dia, não é?

Mas o que é que acham que aconteceu aos Prodomoi e aos Agrinios que apanharam com a cavalaria pesada persa e os mercenários citas todos? Pensem lá…

Não se faz mussala sem abrir bringelas, meus amigos… E a Nike só te sorri se estiveres disposto a pagar o seu preço.