ForumAJSP

Por favor Entre ou registe-se.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Pesquisa avançada  

Notícias:

SMF - Just Installed!

Autor Tópico: Hi! I'm Borat from khazakistan...  (Lida 10489 vezes)

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Hi! I'm Borat from khazakistan...
« Responder #30 em: 19 Outubro 2012 10:46:47 am »



Bom dia cambada!

Num queria bir aqui antes do pujante torneio do próximo fim de semana falar de tacticas, que estes fóruns andam cheio de olheiros!

Poubo que num comenta mas que bê tudo o que aqui é escrito e toma apuntamentos e isso, carago!

Por isso num bou falar de tacticas futuras (Ora toma!) mas das passadas.

Mas antes deixa-me molhar a goela



Aaaaaaa… Que pomada!

Beim. bamos lá entou ás tacticas passadas

Aqui os Kazares Futebol Clube já fizeram 4 jogos amigáveis (daqueles com cadeiras a boar!) e tiberam 2 derrotas e duas bitorias. Num tá mal para pessoal que num tá ainda muito entrosado e sem estofo, mas cum grande potencial técnico – tactico.

Efectibamente a tactica usada..,

Pera ai!



Aaaaaaaaa….

A tactica usada mudou de um 7- 8 – 1 (Sete escaramuçadores, 8 gajos da porrada e um guarda redes eslavo) para um 6 – 7 – 0, com 6 escaramuçadores, 7 gajos da molhada, incluindo dois de futebol americano, e correu-se com o keeper eslavo que num se ganhava para o vodka para o gajo.

Esta tactica no meio campo é muito potente porque tem 2 brigadas fortíssimas pelas linhas laterais e ainda ficam 3 liberos na meia laranja para cumcretizar. A baliza fica guardada pela claque que é ferocíssima e com berilaites e ninguém se chega a ela.

Perdonnn



Hummmm…. Aaaa! É uma pomada da quinta da minha Albertina.

Onde é que estaba? Nas tacticas!Pois…

Então é assim as tacticas do Kazar Futebol Club para o derby deste fim de semana, cujos prognosticos reservo para o fim de cada partida, analizando a tactica da técnica e a força da tactica. Nunca esquecer que o dado é redondo e as flechas tem dois  lados.

Cum amizade…



Aaaaa... Grande Albertina!
Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Hi! I'm Borat from khazakistan...
« Responder #31 em: 22 Outubro 2012 03:01:31 pm »



 - Greetings fellow readers of the feats of the great and powerful army of very early medieval Kazar warriors of the steepe! Tonight, Borat will bring you very detalied story of migthy performance during last weekend tournment against ferocious and dreadfull enemies of Imperial Rome, fearless Gaul, savage Assirians and low scum worse that a limping blind dog of the Uighurs (those horse robers and sheep rappers!) (Ver nota)

Lista de exercito:
3 TC
3 x 6 LF poor bow
3 x 4 LH ave, bow sword
2 x 4 CV ave, prot, bow sword
2 x 4 CV Sup, arm, bow sword, drilled
2 x 6 Cv Sup arm , lance, sword
1 x 4 Cv Sup arm , lance, sword

Jogo 1 – Orlando Costa c/ Principate Roman
Ganhei iniciativa e escolhi terreno  Agricola

Uma composição invulgar, a deste exército: 4 grupos de Auxiliares (superiores…) 5 de LF em diversos sabores, um aliado Comagene com uma mega falange de 12 bases e catafractas e (lá muito escondidos…) um par de legionários e uma ala de cavalaria.

Ele fez uma linha continua com os auxilias chegados ao meu lado esquerdo, a aproveitar uma peça de terreno irregular que lá havia, com a maior parte dos LF á frente. Depois os legionários, a falange, os catafractas e no extremo direito a ala de cavalaria.

Eu alinhei os grosso dos lanceiros (2 x 6) e uma de archeiros armadurados  (gulam) frente aos auxiliares, fiz uma linha com os outros gulam e os tribais a meio e coloquei a unidade pequena de lanceiros no estremo da linha mais 1 LH.
O meu plano era dar cabo dos auxilias (e se não saíssem do terreno eu sabia como as ir buscar) num lado e rodar tudo á direita para cair em cima da ala romana e depois ir aos catafractas ou á falange de lado.

O Orlando “ajudou-me” ao sair do terreno (ainda estava eu a alinhar tropas para o ataque…) e fui desfazendo as auxilias uma a uma, acabando as ultimas numa bolsa com cavalaria Kazar a toda a volta.

Tive de fazer um par de cargas contra as legiões, mas estas aguentaram firmes, inflingindo-me bases, mas nada de preocupante.

No outro flanco parto a ala de cavalaria romana e persigo-a, carregando uma unidade de LF que tem de atravessar diagonalmente a falange (que já estava fragmentada á conta do tiro…) isto na altura em que os gulam carregavam a falange de frente. Não é preciso dizer mais nada…
30 – 0

Jogo 2 - Jose Lopes c/ Gauleses
Ganhei iniciativa e escolhi terreno Agricola

O Lopes colocou a sua cavalaria em linha única a ocupar metade da mesa.Se estivesse em linha dupla sofriam muito com o meu tiro, por ser protected e alem disso assim podiam evadir aos meus lanceiros. A outra metade da mesa eram 4 grupos de guerreiros em linha (os solduri a fazerem a ligação com a cavalaria)  e no extremo, para aproveitar uma peça de terreno Rough, um aliado Ibero c/3 grupo de MF.

Achei que estes 3 grupos eram um bom alvo e  (ya… há aqui um padrâo. Se eu vejo MF a jeito vou lá directo!) coloquei duas unidades de lanceiros para os derrotar e tropas ligeiras para os provocar para fora do terreno se necessário fosse.

Frente aos guerreiros ponho uma de gulams e uma cavalaria tribal para os prender frontalmente e compactei toda a outra cavalaria á volta de uma unidade grande de lanceiros frente á cavalaria dele.

Piece of cake, pensei eu em Kazar! E seria, não fora a poção magica…

As cavalarias chocam (Pois! Ele não evadiu face a forças superiores. Estes gauleses loucos!) e no final da jogada tenho um buraco na minha linha entre os lanceiros e os Gulam, porque os tribais que estavam no meio quebraram. E a ele não acontece nada, tirando uma base perdida numa unidade…

Depois de uma data de combates em que a massa da unidade grande de lanceiros consegue derrotar os seus adversários, os gulam estavam reduzidos a 3 bases e estavam desorganizados. Felizmente o Lopes manteve as cavalarias dele estendidas a uma linha para não deixar que os meus LH se infiltrassem, mas isso teve como consequência que todo o seu potencial de combate não era usado contra os gulam e como estes tinham a vantagem da armadura lá se foram aguentando.

Finalmente os lanceiros dão a volta e aparecem por detrás destas duas unidades e acabam com elas. No entretanto os ligeiros (LH e LF) já tinham dado conta de outra cavalaria gaulesa a tiro.

Do outro lado da mesa os iberos continuavam lá ao fundo do terreno e tinham a proteção de uma unidade de LF. Ia ter de os puxar cá para fora se queria ganhar o jogo.

Comecei por disparar contra os LF até que eles baixaram de coesão e o Lopes os retirou da frente, como esperado. (a alternativa era deixa-los lá e arriscar a sua perda) Mas os iberos ainda estavam longe e por isso meti uma unidade de FL nesse terreno e comecei a disparar para eles á espera que baixassem de coesão ou que o Lopes se chateasse e carregasse para me enxutar da frente.

Foi o que fez. Ainda não saiu do terreno, mas ja estava á beirinha. Depois moveu outro grupo para o lado de primeiro para o apoiar. Passei a jogada seguinte a prepara as coisas para uma jogada de sacrifício e os meus LF quebraram como era esperado, fugiram através dos lanceiros e os Iberos vieram atras, saindo do terreno e dando-me os pontos que faltavam para os gauleses quebrarem.
26 – 8 (acho…)

Jogo 3 – Marco Quinta c/ Assirios
Ganhei iniciativa e escolhi terreno Estepe

O plano era simples: Saltar para cima dos carros e da cavalaria com os lanceiros, evitar os hoplitas, encher tudo de flechas. Os carros não tem POA no impacto contra lanceiros e eu tenho. Depois na melee já estaria em vantagem e era não ter azar aos dados para lhe partir os carros.

Obviamente falhou tudo!

Numa ala os carros e a cavalaria dele levam tudo á frente (Em parte por culpa minha que não os coloco bem…) mas custando-lhe uma unidade de Guardas que teve de ser massacrada até á ultima base;  a centro uma muralha de aço assiria-grega empurra tudo o que mexe e ainda por cima com tiro. E mesmo no meio, os LF dele quase que quebram dois meus.

E para ai, na ultima hora de jogo, as coisas começam a virar: Num flanco uma unidade de carros quebra, depois de uma resistência heroica, arrastando com ela uns hoplitas que os iam salvar (Não fizeram nada num ataque de flanco aos lanceiros a alanos. A teoria pos-jogo é que se devem ter impressionado muito com as cabeças penduradas á sela que os alanos tinham); a meio uns LF meus viram-se contra os perseguidores e dão cabo deles, mas já não há mais nada a fazer e quebro.

16 – 22

Jogo 4 – Joao Costa c/ os câes marrecos e cegos dos dois olhos dos Uigurs, (esses ladrões de cavalos e violadores de ovelhas)* (ver nota)
Perdi iniciativa e o João escolheu terreno Agricola

Olhem foi uma miséria!

Já nem digo mais nada para alem de que os meus deviam ter-se esquecido das flechas em casa e as dele tinham homing device e ponta explosiva. Cada tiro cada melro, literalmente!

Destrui 2 grupinhos de cavalaria tribal dele que estavam completamente isolados e já brinquei. Até o campo fortificado ele me toma logo na primeira tentativa. (Deviam estar todos bêbados e a dormir lá dentro!)

No final acabei em 2º lugar da Pool Classica. Como o Nuno Cordeiro tambem foi segundo da Pool Medieval, acabamos por ser a melhor equipa do Torneio.

Heeeeeeee!!!! SEMOS OS MAIORES!!!!



E depois destas aventuras todas acho que mereço um descanso e vou para a praia…



*Nota: Nada disto se refere ao João Costa que é um nobre e leal adversário e bom amigo. Trata-se antes do tratamento amigável entre povos da estepe. Por exemplo para ele, os meus Kazares não passam de uns “Judeus gordos filhos de uma ovelha coxa e vesga”
Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Hi! I'm Borat from khazakistan...
« Responder #32 em: 24 Outubro 2012 04:05:18 pm »



E - Ora bem cambada, estamos a aqui com o meu colega Borat para a analise técnico-tactica da jornada do fim de semana passado!



B - Saudações alegras, nobres leitores

 E - Borat, Bamos começar pelos Ligeiros a pé e a cavalo. Havia 3 grupo de cada. Como se portaram?

 B - Os a cavalo fizeram o que se esperava deles em termos de atazanamento geral e infiltração compulsiva. Já os a pé tiveram umas prestações mais irregulares, sempre que estiveram sozinhos.. No entanto o seu contributo foi importante, com tiro que por vezes foram decisivos, especialmente tendo em conta que 18 bases em 3 grupos custaram apenas 54 pontos. Há que planear melhor o seu entrozamento com as outras unidades e considerar a hipótese de incluir um grupo a 8 bases, ou de os proteger com infantaria mais pesada.

E – Muito bem. Uma pinga? Não? Mais fica! Haaaaaaa… e ataão as cavalarias médias?

B – O papel destas duas unidades, não sendo decisivo, provou ser higiénico. Com efeito limparam o sebo a alguns inimigos, mas normalmente depois eram logo descartados por não terem a resiliência de outras tropas. Eram simultaneamente a primeira linha de apoio dos ligeiros e a sua reserva de força, mas só duas não conseguiam acudir a todas as necessidades.

E – Pois… tou a ber… Uma merda! Atão e agora entramos nos latinhas: que tal foram os Gulam?

B – Para continuar na mesma linha, custaram o olho… da cara, mas são de facto tropas a todos os níveis excepcionais. Lembro com especial agrado uma que carregou sozinha um grupo de hoplitas inimigos e lhes comeu… uma base por jogada até serem salvos por um general. O binómio Tiro-Armadura–Superiores é muito forte…

E – Mas assim são 3…

B – Quem?

E – O binómio…

B – Não. Um binómio são dois.

E – Mas bocê disse 3…

B – três quê?

E – Três nómios.

B – Pronto!

E – Mas em relação aos lanceiros habia uma polemica no pré-jogo…

B – Com efeito! O meu colega de equipa, o Nuno Cordeiro insistiu comigo para não usar grupos a 6 bases, quase tantas vezes quantas as que eu insisti com ele para ter mais Man at Arms, no exercito dele. Mas posso dizer com confiança que não teria tido os resultados que tive não estivessem eles com 6 bases. Ficam muito poderosos em melee, muito mais resilientes, e não há qualquer perda da capacidade de manobra. Foram os grandes obreiros dos dois dias.

E – E planos para o futuro?

B – Para o futuro temos várias coisas a explorar desde a inclusão de infantaria armadurada e artilharia pesada, até uma combinação só de cavalaria ligeira e lanceiros. O plantel é variado e permite muitas combinações de grupos

E – É o chamado threesome! E bem, senhores leitores, despedimo-nos cum amizade até ao próximo post… Tem a certeza que num quer uma pinguinha?... Mais fica!

Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Hi! I'm Borat from khazakistan...
« Responder #33 em: 26 Outubro 2012 02:22:00 pm »

E aqui está a foto do inicio do primeiro jogo. Mesmo no inicio, com o Orlando ainda a colocar as ultimas figuras.

Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Hi! I'm Borat from khazakistan...
« Responder #34 em: 26 Outubro 2012 03:14:17 pm »

Os trofeus em disputa



E 48 horas depois, o resultado: A equipa dos MAIORES E MAI LINDOS JOGADORES DE FOG DESTE PAIS!

Melhor equipa e os dois em 2º lugar na sua pool. Isto é que é trabalho em equipa!



Eu e o Nuno Cordeiro

E aqui a ala Adasmastora dos Suricatas a tentar perceber se os gauleses do Lopes beberam poção magica ou não.


Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Hi! I'm Borat from khazakistan...
« Responder #35 em: 02 Novembro 2012 04:36:44 pm »

Uma das coisas que gosto dos kazares é o facto de terem infantria útil e barata.

Para um exercito de archeiros a cavalo este útil tem tres vertentes:  Pára-choques, ocupação de terreno e apoio de tiro.

Começemos pela ultima.

Posso ter até 3 grupos de LF  (Eslavos e Khazares) com arco que complementam bem o tiro e as funções dos LH por uma fração do seu preço. Efetivamente podem ser Poor e custar 50 pontos pelos 3 grupos, o que compara muito bem com os 40 que custa 1 de LH. Sendo LF podem operar onde os LH não podem, movem e evadem quase o mesmo e não atrapalham ninguém por quem tenham de passar.

A ocupação de terreno é importante como uma forma de garantir que o inimigo não usa esse terreno como uma via de ataque, e aqui um grupo grande infantaria Eslava (8 bases normalmente) MF é muito util quanto mais não seja para ocupar a infantaria media inimiga durante algumas jogadas



Custumo usa-los tambem como Poor, (mas podem ser Average…) já que assim me permite libertar pontos para o que é importante no exercito.

Finalmente a função de Pára-choques é desempenhada pela Guarda Khazar (HF Armoured) que vejo numa ala a servir de ponto de resistencia contra tropas montadas de choque inimigas.

Nas minhas leituras não consegui perceber o que era na realidade esta Guarda, mas considerando a propensão para os países copiarem as modas militares uns dos outros, e como as rotas do Varegues passavam pelo Dniepre e pelo Volga, resolvi que era bonito o meu Kahgan ter a sua própria Guarda Varengue á semelhança dos primos bizantinos

Infelizmente não tenho ainda fotos deles…
Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Hi! I'm Borat from khazakistan...
« Responder #36 em: 07 Novembro 2012 04:30:33 pm »

E agora os generais desta pandilha toda!

Como comnadante em chefe uso o Jeremiah Khazandame (São judeus, não se esqueçam!)



Este foi inventado há umas dezenas de anos por um amigo para o Presidente de uma qualquer Republica Centro Aficana, onde decorria uma campanha imaginária com varias milicias etnicas (a dos lojistas indianos, por exemplo) e politicas a lutarem pelo poder.

Estas figuras são as do meu Atila dos Hunos com algumas modificações. Quando descobri que o clan real dos Kazares (os Arshina) era descendente de um heroi que foi criado por uma loba (ya... tambem estes, sim!)  e cujo animal totem era o lobo, nem mexi mais na figura principal, com a sua pelo de lobo ás costas. As unicas alterações que fiz foi ao nivel do estandarte, que passou do vermelho para o turquesa (Os Khazares eram sucessores dos Gok Turk  - Turcos Celestes - e para eles o azul tinha um caracter sagrado) e a outra figura que passou de um general romano tardio para um cavaleiro turco.  Actualmente tenho o  candelabro judaico pintado no estandarte.

Este é o Benjamim


Como foi o ultimo a ser pintado, e por isso o mais novo, ficou Benjamim

E como não podia deixar de ser, aqui está o BORAT!

Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Hi! I'm Borat from khazakistan...
« Responder #37 em: 18 Fevereiro 2013 11:21:58 am »

Já aqui tinha dito que um dos meus motivos de orgulho deste exercito é o seu campo fortificado (ainda por cima de tamanho ILEGAL!!! :) )  Na altura em que escrevi sobre ele ainda era um simples Wok In Progress.



Finalmente, quase passados 6 meses, já está completamente pintado! (bem... a dizer a verdade ainda queria por-lhe umas bandeirinhas)

Ora cá está ele, numa foto tirada no ultimo jogo que fiz. Com guardas, miudos a correr, prisioneiros de canga, senhoras a amamentar bebés, supermercado e tudo!

Registado
 

Página criada em 0.242 segundos com 47 procedimentos.