ForumAJSP

Por favor Entre ou registe-se.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Pesquisa avançada  

Notícias:

SMF - Just Installed!

Autor Tópico: Os amigos de Alexandros  (Lida 9822 vezes)

FMartins

  • Associados e Convidados
  • Full Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 190
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #15 em: 28 Maio 2013 11:05:55 pm »

Cunhas, cunhas... não penses que será com cunhas que irás ganhar jogos aqui na AJSP! A nossa casa é muito séria, ou o que é que tu pensas, hã?!?  ;)
Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #16 em: 29 Maio 2013 08:02:07 am »

Nem para ter uns emparceiramentos melhores?
Registado

FMartins

  • Associados e Convidados
  • Full Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 190
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #17 em: 02 Junho 2013 08:38:26 pm »

Ui, os emparceiramentos, o meu tormento...  ;)
Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #18 em: 04 Junho 2013 03:22:20 pm »

Não tenho dado Trácios de vida neste tópico, (tinha de fazer esta piadola fácil, já que estou a pintar duas unidades de Tracios…) mas não é por falta de “alexandrisses”, bem pelo contrario.

Tenho estado a ler muito. Comecei por um clássico da triologia dessa Senhora que dá pelo nome de Mary Renault

The Nature of Alexander


Esta senhora, não sendo historiadora tem o raro condão de escrever muito bem e com um detalhe impressionante. Parece que conheceu pessoalmente o Alex, a Olimpias, o Filipe  e mais as dezenas de personagens aqui mencionados.  Sendo um bocadinho apologética e desviando o olhar dos aspetos mais dúbios da formação do Imperio, recomendo vivamente a sua leitura quanto mais não seja para apanhar o feeling da época.

Tenho na calha, tambem dela

•   Fire from Heaven (1969) — Alexander the Great from the age of four up to his father's death
•   The Persian Boy (1972) — from Bagoas's perspective; Alexander the Great after the conquest of Persia
•   Funeral Games (1981) — Alexander's successors

Depois temos as referencias para pintura, os incontornáveis Ospreys:




E finalmente o “velhinho” mas sempre recomendável e imprescidinvel “Armies of the Macedonian and Punic Wars 359 BC to 146 BC” de Duncan Head



Agora o que me está a tirar do sério é qo que raio hei-de fazer com os Hipaspistas. Decidir uma de 4 configurações possiveis é demais!
Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #19 em: 05 Junho 2013 09:04:41 am »

Ontem esqueci-me de acrescentar mais um livro que tambem é muito interessante (e que para variar levanta mais uma data de questões, mas historia militar da Antiguidade é assim mesmo...)



"The Army of Alexander the Great", Stephen English

E voltando aos Hipaspistas, para este autor o que faz sentido é que em batalha eles estivessem equipados como a restante falange (com sarissa) mas tirando isso, nos outros combates e nos assaltos, como hoplitas.
Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #20 em: 05 Junho 2013 03:49:47 pm »

Este ultimo livro chamou-me a atenção para uma coisa. Foi no reinado de Filipe da Macedónia que foram inventadas as catapultas de torção, (usam como força propulsora a torção de uma grande quantidade de crinas de cavalos e tendões em dois cilindros ligados a cada um dos braços da arma) capazes de atirar pedras a 400 metros.



Até então as maquinas que haviam eram arcos gigantes, que geralmente só lançavam virotes ou pedras pequenas, com o alcance de pouco mais do que um tiro de arco (100 a 200 metros)



O que significa que Alexandre (e Filipe antes dele, no final do seu reino) tinham á sua disposição maquinas capazes de atacar muralhas, não só contra os seus defensores, mas mesmo para a demolir, e isto completamente fora do alcance das de defesa.

Não deixa de ser significativo que apenas 70 anos antes, no cerco de Siracusa durante a Guerra do Peloponeso, o supra sumo das técnicas de cerco eram arietes, escadas e ganchos de ferro.

Assim fica mais fácil de perceber porque é que Alexandre tomou todas as cidades que atacou. Simplesmente não tinham defesa possível a partir do momento em que as maquinas começassem a funcionar. Era só uma questão de tempo…

Vamos agora fazer uma lista das inovações do exército Macedónio, só para ter uma visão de conjunto:

 - Falange com sarrissa. O seu concorrente mais próximo era a falange de hoplitas, os quais, sempre que defrontaram a falange de sarrissa, foram derrotados.

 - Cavalaria de choque. Antes dos Companheiros toda a cavalaria estava equipada com várias lanças curtas para atirar e depois combater com espada/machado. Os Companheiros são os primeiros lanceiros da história

 - Artilharia de cerco com maior alcance e potência

Portanto temos uma infantaria que é virtualmente imparável, uma cavalaria (ou parte dela) que rompe as linhas inimigas e um trem de cerco capaz de tomar qualquer cidade.

È como se os alemães começassem a 2GM em 1939 com o equipamento de 1944 e os Aliados não evoluíssem nada…

Se a isto ainda juntarmos o facto de Alexandre ser um bom general E com sorte, temos daquelas combinações que só muito raramente se conjugam na Historia.

Condições semelhantes, talvez só as tenha tido Napoleão até 1805. (E depois os seus adversários começaram a ser tão bons quanto ele no seu próprio jogo…)
Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #21 em: 07 Junho 2013 02:17:52 pm »

O “meu” primeiro exército foi Selêucida.

 Era do Miguel Morão, feito com figuras de 15mm antigas da Minifigs, das que ainda vinham em tiras de 5 (com as bases todas juntas) figuras pequeninas, como era a moda na altura, em que 15mm era mesmo 15mm e 25mm não era 28, ou 30, 31, 32 mm.

Joguei muito com ele, contra uns Bizantinos temáticos também do Miguel, tinha eu 17 ou 18 anos e essa foi a minha primeira mostra do que era um jogo “a sério”. Até então só tinha feito uns jogos com figuras Arfix e tanques Matchbox com as regras do Vitor Amorim que eram publicadas na revista Historia, em cima da mesa que tinha no meu quarto, numa de “os meus tanques contra os teus”. 

Mas agora havia listas para escolher a composição do exército,  regras para colocar terreno, o qual podia ganhar ou perder jogos,  mapas de colocação das tropas, e ordens. A 5ª edição das regras de Antiguidade da WRG (Wargames Resarch Group) era uma coisa “á seria” e muito mais variada do que aquilo a que estava habituado.

Ainda me lembro da composição desse exército:
El-Rei Seleuco (na altura só se usava um! )
Os Companheiros e a Agema a 6 figuras cada (para poderem forma cunha!)
2 Unidades de xystophoroi  a 10 ou 12 figuras cada, creio
Uma unidade de Tarentinos e outra de Citas com 8 figuras cada
24 peltastas em duas unidades
24 argiraspidas
24 falangistas
Uma dúzia de Gálatas, que só tinham medo que o céu lhes caísse na cabeça.
Uma dúzia de cameleiros Árabes
Cerca de 20 figuras de archeiros Árabes
Um elefante

Quando conheci o Miguel ele estava a acabar uma unidade de Trácios e pouco depois o exército foi reforçado com um segundo  e terceiro elefantes  (devidamente batizados em cerveja como era tradição na altura)

Depois com o tempo apareceram umas “ceifeiras debulhadoras” e mais falange, (já com figuras “modernas”) mas o núcleo do exército permanece ainda o mesmo.

PERMANECE! No presente. Porque este exército ainda existe e foi rebaseado para FOG. Deve ser o exército mais antigo ainda existente em Portugal com uma carreira de 30 e tal anos.

A minha colocação “típica” era formar o Bloco Central (estava-se na altura dos governos do PSD e PS…) com argiraspidas e falange a centro com elefantes entremeados, Gálatas dum lado e peltastas do outro. Normalmente os Bizantinos fugiam deste rolo compressor, mas ás vezes (poucas) lá conseguia apanhar alguém. Nesse tempo ainda não sabia o que excesso de força é tão mau como pouca força, apesar do Miguel me zurzir alguma coisa acerca disso ao ouvido.

Devo ter jogado com eles ai durante um ano, mais ou menos, e apesar de ter a vaga ideia de que também joguei com os Bizantinos, a minha memória e o meu coração ficou sempre naqueles Selêucidas. Depois comecei a fazer o meu primeiro exercito (Mongois… É giro como estas  tendências vêm de longe) e depois outro e outro e mais período e outras coisas, mas nunca mais tive, ou joguei com um exercito Helenistico.

Até agora…
Registado

jorneto

  • Associados e Convidados
  • Jnr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 70
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #22 em: 07 Junho 2013 06:05:32 pm »

O “meu” primeiro exército foi Selêucida.

 Era do Miguel Morão, feito com figuras de 15mm antigas da Minifigs, das que ainda vinham em tiras de 5 (com as bases todas juntas) figuras pequeninas, como era a moda na altura, em que 15mm era mesmo 15mm e 25mm não era 28, ou 30, 31, 32 mm.


PERMANECE! No presente. Porque este exército ainda existe e foi rebaseado para FOG. Deve ser o exército mais antigo ainda existente em Portugal com uma carreira de 30 e tal anos.


Naaah!!!
O exército mais antigo é do Miguel efectivamente, mas Bizantinos e não Seleucidas. O 2º exército mais antigo são os meus chineses Han (Alguns conhecem-nos como Circo de Pequim) e o jogo mais antigo foi em Dezembro de 1979 ou Janeiro de 1980 (não me lembro muito bem) nas Oficinas de S. José, entre estes dois exércitos com as regras WRG 5ª edição, já na altura traduzidas pelo Miguel. O resultado foi uma vitória tangencial chinesa (disso lembro-me muito bem!...).

Velhinhos, mas ainda fazem umas acrobacias
Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #23 em: 11 Junho 2013 08:29:27 am »

Grandes manobras Chinezas!

Tens razão Jorge. O Miguel pintou primeiro os Bizantinos e depois os Seleucidas. Todo nas figuras"ás tiras" da minifigs
Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #24 em: 14 Junho 2013 02:51:48 pm »

And the winner goes to…



Depois de andar ás voltas (não foram muitas, mas pronto, fica sempre bem dizer isto…) para qual dos Sucessores iria expandir o exercito macedonio, decidi-me pelos Ptolemaicos, e foram estas as razões:

 1 – Seleucidas há muitos, seu palerma! (E isto deve ser entendido como um desafio a todos os que, com falta de imaginação, claro está, se deixaram levar pela tentação de carros falcados, catafractas e imitadores de legionários)

2 – Já estive na terra deles por duas vezes e os templos mais bonitos e bem feitos são os da sua Dinastia.




3 – Deram porrada nos Seleucidas em Rafia, mesmo tento elefantes pequeninos e falangistas egipcios!

4 – Tem tropas “terríveis” sob a forma de cameleiros Arabes, policias Judeus, piqueiros Egipcios e cavalaria Nubia. (para não falar nos tais elefantes pequeninos que estão aqui em baixo a combater os mamutes do Seleucos!) What else?



5 – Eram podres de ricos, que se deram ao luxo de tentar comprar o exercito ao Antigo á razão de 1Kg de prata por soldado e 27Kg por oficial. (O Antigono teve de usar a “policia militar” para manter o exercito e acabou por se ir embora de Gaza para evitar a sangria de tropas)

6 – Tinham marines! E mega-hiper-super navios de guerra. Numa época em que a norma era a quinquerreme e quadrirreme os Ptolomeus passeavam pelo mediterraneo oriental com decahexarremes (“16 remes)



7 – Eram muito inventivos a escolher nomes: 14 Ptolomeus e 7 Cleopatras. (E a famosa foi a VII)



8 – O fundador da Dinastia era mesmo amigo do Alexandros, (ao contrario dos “usurpadores” que na altura eram só sintagmarcas anónimos!) por isso fica mesmo bem com o nome deste tópico.

9 - Alexandria era a maior cidade do mundo, com a sua famosa biblioteca e o farol de Pharos.



10 - É o inimigo historico dos Seleucidas e só isso deve garantir-me uns jogos bem disputados :)
Registado

PMorais

  • Associados e Convidados
  • Jnr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 51
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #25 em: 17 Junho 2013 09:13:33 am »

Excelente escolha e ainda melhor fundamentação.

Citar
1 – Seleucidas há muitos, seu palerma! (E isto deve ser entendido como um desafio a todos os que, com falta de imaginação, claro está, se deixaram levar pela tentação de carros falcados, catafractas e imitadores de legionários)

Eu não vou mudar de certeza. Alguém tem de se manter fiel às suas escolhas ou então deixavas de ter adversário.  ;D
Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #26 em: 17 Junho 2013 10:59:16 am »

Nem esperava outra coisa! Venha dai esse terçar de sarissas, que já se faz tarde! :)
Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #27 em: 20 Junho 2013 03:51:15 pm »

Estou numa maratona!

(O que, para um exercito que é não só grego, mas que se via como vingador de Termopilas, até é apropriado…)

O próximo Torneio de FOG é já dias 6 e 7 e quero estrear lá os meus Amigos de Alexandros, mas para isso ainda me falta algumas coisas, nomeadamente o Campo (O qual, meus amigos é completa e totalmente GENIAL!!! – Mas acerca dele haverá um post dedicado) os generais, (Filipe, Alex e Parmenion)  a cavalaria Tessália e Trácia, 8 bases de hoplitas ligeiros (Iphikratean hoplites) e mais 8 de falangistas… Cerca de 100 figuras, mais coisa menos coisa.

Por isso estou a fazer 3 horas de pintura por noite para ver se acabo isto tudo. Hoje até dei um passo na boa direção, ao acabar os hoplitas e os generais, mas o meu maior problema é que da cavalaria só tenho metade dos Trácios e nenhum Tessalio e faltam-me os escudos para os falangistas. Vamos a ver se os consigo ter a tempo…

No entretanto aqui vai uma foto dos marcadores de baixas que fiz, para aquelas unidades que estão numa única base

Registado

FSousa

  • Administrator
  • Jnr. Member
  • *****
  • Offline Offline
  • Mensagens: 51
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #28 em: 21 Junho 2013 01:39:09 pm »

Por caso há pelo menos duas situações em que podes querer, ou ter de os pôr em linha.
A primeira é se precisares/quiseres fazer uma carga, tiveres amigos a estorvar, e precisares de reduzir a frente para chegar ao contacto com o inimigo.

A segunda, menos gloriosa, é se eles estiverem a fugir de alguém e tiverem de formar coluna para passar num intervalo disponível entre obstáculos.


Sobre a remoção de baixas sinalizada com marcadores, que já é uma solução de recurso, pode visualmente enganar o adversário (ou a ti próprio, mas isso é problema teu) e se 99% das vezes pode não ser importante dizer se a base removida é a da esquerda ou a da direita, pode haver situações em que o espaço ocupado por uma base pode ter influência em restrições ao movimento ou medição de distâncias.

Claro que é possível arranjar soluções de recurso, acordadas com o adversário, mas o sistema de bases existe por alguma razão.
Entendo todos os argumentos porque fizeste isto, e não estou a dizer que não o vou permitir num torneio, mas gostaria que a moda não pegasse e que estejas preparado para, em caso de disputa com o adversário, dar-lhe sempre sempre razão em qualquer argumento relacionado com o baseamento das figuras e a perda de flexibilidade resultante.

O efeito visual é de facto muito giro :).

Registado
Poucas situações não se resolvem com um par de seis.

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: Os amigos de Alexandros
« Responder #29 em: 21 Junho 2013 02:03:37 pm »

Ainda hoje estava a pensar nessa questão da cavalaria ligeira encolher para evadir e em formas de dar a voltá a questão e a mais safisfatoria parece-me de facto ser... monta-los em bases normais :)

Quanto aos Companheiros... Companheiro que é Companheiro nunca foge! :)
(E os prodomoi querem ser Companheiros por isso vao pelo mesmo caminho.)

 
É claro que em caso de disputa por causa de bases grandes, o beneficio é sempre do meu adversário (mas não exagerem, ok?) e onde o cmarcador estiver  (atras á esquerda ou direita) é sempre a base que foi eliminada.

Mas olha desta vez a minha bagagem é completamente legal! :)
Registado
 

Página criada em 1.659 segundos com 65 procedimentos.