ForumAJSP

Por favor Entre ou registe-se.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Pesquisa avançada  

Notícias:

SMF - Just Installed!

Autor Tópico: Porquê Napoleonicos?  (Lida 1422 vezes)

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Porquê Napoleonicos?
« em: 26 Março 2012 10:17:55 am »

Porquê Npoleonicos?
Por 3 ordens de razão – Historicas, de jogo e estecticas

Historicas
O período de 1792 a 1815 é inédito a vários níveis. Se por um lado já tem todas a componentes da guerra moderna, com amplos movimentos de exércitos e uma capacidade de formação de tropas quase industrial, com a consequente progressiva diminuição da importância da “batalha decisiva” que Napoleão sempre perseguiu.

Por outro lado é praticamente dos últimos períodos onde a manobra, mesmo muito perto do inimigo, é ainda possível. (Nas guerras Autro-Prussiana de 1866 e Franco Prussiana de 1870 o poder de fogo já era dominante sobre a manobra, prenuncio dos combates de 1915…)

Finalmente… Temos o Corso! Nunca antes dele ninguém manobrou exércitos assim, seja em rapidez (sabiam que Napoleão foi mais rápido na Rússia do que os Alemães da 2GM, em media de km percorridos por dia?) seja na amplitude de movimentos (veja-se a marcha para Ulm em 1805, com 9 Corpos a atravessarem a França e Alemanha por dezenas de estradas paralelas) seja usando a colocação do exército como uma arma decisiva (táctica da posição central). E depois dele, poucos foram os que o igualaram. Tudo isto foi feito numa época em que a tracção ainda era animal não havia rádios.

Mas tudo isto poderia ter ficado pelas Academias Militares e pelas universidades, não fora a aura e o mito de Napoleão, criada e alimentada pelo próprio desde o primeiro instante (indo ao ponto de reescrever o seu passado…) Em Bonaparte temos a primeira utilização da propaganda e da ideologia como armas de controle de massas e de intimidação do inimigo.


O Jogo
Napoleonicos, como período de jogo, acaba por ser único no sentido em que a enfase está no que o próprio jogador sabe fazer e não na escolha de exercito ou na composição do mesmo.

Por exemplo em Antiguidade as vezes há encontros que logo á partida dão vantagem a um ou outro lado: Lusitanos contra cavaleiros medievais em terreno aberto, estão em apuros ainda antes de um dado ser rolado. Em 2GM uma lista só de tanques pode ter dificuldades contra uma pura de infantaria entricheirada.

Mas em Napoleonicos todos têm infantaria armada com mosquete, cavalaria com sabres e canhões de carregar pela boca. Claro que um hussardo não é igual a um couraceiro da Guarda, mas isto trata-se mais de diferenças pontuais (de sabor, diria eu) do que de algo completamente diferente.

Portanto a diferença é feita pelo jogador.

Esteticas
Raros são os períodos que podem competir com Napoleonicos a nível do impacto visual. Ver linhas continuas de uniformes brancos, vermelhos, verdes ou azuis numa mesa é algo que outros períodos não conseguem dar. Por outro lado muitas nações tinham uniformes diferentes de regimento para regimento (já para não falar em bandeiras…) o que não só contribui para o colorido do exercito , como para evitar a monotonia da sua pintura.

E caso se opte por um visual realista, de exércitos em campanha, não nos podemos esquecer que todos andavam de shakos cobertos por oleados, sem plumas ou cordões, de casacões de cores neutras e calças apanhadas aqui e ali. Dá perfeitamente para pinta-los a spray e wash…
Registado
 

Página criada em 0.592 segundos com 33 procedimentos.