ForumAJSP

Por favor Entre ou registe-se.

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão
Pesquisa avançada  

Notícias:

SMF - Just Installed!

Autor Tópico: O Regimento de Cavalaria nº 1 (de Alcântara)  (Lida 2861 vezes)

FMartins

  • Associados e Convidados
  • Full Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 190
O Regimento de Cavalaria nº 1 (de Alcântara)
« em: 06 Março 2012 09:25:09 pm »


Na época das invasões napoleónicas, a cavalaria, cumprindo uma certa “tradição” que já remontava à época da Restauração, era a arma mas deficitária do Exército português. Os cavalos eram fracos, mera “pele e osso”; os regimentos frequentemente estavam com os efectivos reduzidos a metade, incapazes de qualquer serventia, “um fardo para o Estado”, nas palavras de um oficial britânico, ao ponto de dois regimentos terem sido desmontados para servirem como guarnição.

Por uma razão de “patriotismo regionalista”, escolhi um Regimento com base em Lisboa pelo que optei pelo Regimento de Cavalaria nº 1 do Exército Português, o qual tinha quartel em Alcântara, no actual Quartel da Armada, na Praça da Armada. Foi uma unidade que viu bastante acção tendo participado na maior parte das batalhas e combates da Guerra Peninsular, por vezes com distinção, como aquando do combate de Atalaia (03 de Agosto de 1810) quando Cavalaria nº1, sob o comando do Coronel Christovão de Costa Athayde Teive, destroçou uma força de sessenta cavalos franceses, matando e ferindo mais de trinta soldados inimigos e aprisionando-lhes catorze homens. O Regimento foi citado na Ordem do Dia por Beresford: « A carga que deu o referido Sr. Coronel contra o inimigo decidiu instantaneamente a acção, e a conquista das tropas que estavam debaixo das suas ordens, mostrou, assim como se tem mostrado em todos os assuntos que tem tido as tropas portuguesas com o inimigo, que ao valor natural e nacional destas só faltava disciplina para lhe assegurar a vitória. O Sr. Marechal roga ao Coronel Christovão da Costa Athayde Teiva, aos oficiais e soldados que entraram na acção que recebam a sua aprovação e agradecimentos.».

Durante a guerra este Regimento teve dois oficiais, vinte e quatro praças e noventa e oito cavalos mortos, quarenta e seis praças e quarenta e oito cavalos feridos em combate.

Por Decreto de 15 de Abril de 1831, Cavalaria nº1 passou a denominar-se Primeiro Regimento de Cavalaria de Lisboa. Durante a Guerra Civil,o Regimento seguiu o partido Legitimista, de D. Miguel, sendo extinto pela Convenção de Évora Monte.



As figuras


As figuras, quer de cavalos quer de cavaleiros, são da marca Figurines as quais, sendo boas, apresentam pelo menos uma deficiência a qual foi corrigida por mim.

Depois de limpar as figuras, dei-lhes um primário e pintei os cavalos (mais uma série deles, de “outras cavalarias”, que estavam à espera de apanhar um bocadinho de cor) usando um aerógrafo. Em seguida usei um castanho mais claro para lhes puxar os claros e depois, usando a técnica da aguada, tratei de lhes dar as sombras com castanho escuro. O preto foi reservado para as crinas e caudas, e as patas, uma vez que gosto sempre de pintar uns quantos cavalos baios.

O plano de uniformes de 1806, em vigor, com algumas alterações, até ao final da guerra, estipulava que as montadas dos oficiais e furriéis usariam de sela curta coberta por uma  manta de cor azul ferrete, ao passo que a dos soldados seria coberta por uma pele de cabra. Uma vez que as selas das figuram tinham todas mantas, sem excepção, alterei esse pormenor excepto para a sela do clarim, que decidi deixar como estava para lhe dar um ligeito toque “exótico”.




    

O uniforme, bem como o capote usado pelos soldados no Inverno (e enrolado sobre a sela em tempo seco) era de cor azul ferrete, com a gola, canhões das mangas e vivos em branco.



 

 

O clarim, ao contrário do que havia noutros exércitos, não usava as cores em “negativo”. Ao invés, usava um uniforme perfeitamente normal, decorado de galão de cor amarela nas costuras. Também não tenho notícia que usasse um cavalo de cor diferente (por exemplo, um cavalo malhado), como era habitual no estrangeiro.

O oficial é o Coronel Cristóvão da Costa de Athayde Teive, comandante do Regimento de Junho de 1810 a Junho de 1815.

O resultado, como se vê, foi um Regimento catita e bem simpático, que espera vir a quebrar muitos batalhões dos malvados jacobinos!
Registado

JEspecial

  • Associados e Convidados
  • Snr. Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 400
Re: O Regimento de Cavalaria nº 1 (de Alcântara)
« Responder #1 em: 07 Março 2012 09:45:38 am »

Cidadão Martins,


Bravos soldados esses, que, estou certo honrarão o seu Povo. Pena é que que sejam obrigados a combater pelas forças obscurantistas da opressão aristocratica e religiosa, ao inves de abraçar os seu irmãos Gauleses, Batavos, Helvecios ou Ligures, na marcha irresistivel pela Liberdade dos Povos e Nações!


PS: Olha, pintaste 4 bases ou só essas 3? É que em Fog:N os regimentos são a 4 bases. Quer dizer, podes sempre junta.los a mais 3 bases para fazeres uma brigada de 6 bases...
« Última modificação: 07 Março 2012 11:07:45 am por JEspecial »
Registado

FMartins

  • Associados e Convidados
  • Full Member
  • ******
  • Offline Offline
  • Mensagens: 190
Re: O Regimento de Cavalaria nº 1 (de Alcântara)
« Responder #2 em: 09 Março 2012 01:25:35 am »

Na verdade, só pintei 3 bases, que é o que a malta usa para representar os Regimentos e os batalhões em Shako.

Se me der na vinheta, talvez pinte uma quarta base, mas para já quero prosseguir com a infantaria, a Rainha da Batalha...
Registado
 

Página criada em 0.049 segundos com 35 procedimentos.